Rubricas

Estilo da Nação por Zé Ribeiro Brandão

Por  | 

A rubrica mais quente do momento está de volta. A pouco mais de uma semana para as Eleições Legislativas, a eleição do Estilo da Nação está ao rubro. Os resultados, adianto, são surpreendentes, mas ainda agora a votação começou… Ainda faltam alguns dias de campanha, e para nós os candidatos não podem falhar 1 milímetro no seu estilo.

Hoje a comentar a nossa votação temos o Blogger Zé Ribeiro Brandão (http://duas-vezes-numero-um.blogspot.com/) que amavelmente respondeu ao meu desafio e avaliou de forma acutilante cada um dos candidatos. Conheça aqui a sua opinião:

 

O ex-Primeiro Ministro José Sócrates é de longe (e de perto também!) um ícone de estilo, ou não tivesse sido ele apanhado a perguntar qual o lado em que fica melhor. Se há ponto positivo no Sócrates são os colarinhos, sempre impecáveis, passadinhos a ferro como só eles. Até em campanha, quando o calor aperta e no fim do dia o colarinho já está mais para lá do que para cá, o líder do PS sabe abrir os botões da camisa sem parecer brejeiro nem mostrar a farfalheira que tem (ou não) escondida debaixo de (calculo eu) caros camiseiros. Os fatos também são um mimo. Não sei que marca veste ou prefere mas pode perfeitamente ser a linha mais clássica da Armani, Calvin Klein ou Prada. Diria até Ermenegildo Zegna. A palete não varia muito do cinza claro, cinza escuro, azul escuro. Sóbrio como se quer, nada de grandes carnavais. E por isso penso nunca o vi com uma gravata a destoar ou um pouco mais folclórica. Discreto e aprumado, em 10 José Sócrates leva um 9.

 

Pedro Passos Coelho apresenta-se claramente como um galã. Dos candidatos é o que tem mais cara de “já tenho isto tudo no papo”. Todos sabemos que no estilo também é importante a autoconfiança. O líder do PSD tem mais do que devia. Quanto ao estilo não foge muito à regra do protótipo político: limpinho, risco ao lado, um ar de “tio” obviamente associado ao partido laranja. Também sóbrio, Passos Coelho é mais do estilo Rosa&Teixeira, Wesley e alfaiataria inglesa. Um Hugo Boss também, assim como quem não quer a coisa. Gosta de garantir que lança o seu charme, por vezes é esse mesmo charme que provavelmente o distrai num discurso politico em certos pontos incoerente. Ainda assim fossem todos como ele, se chegar ao cargo de Primeiro-Ministro não será vergonha nenhum, caso precise de ir ao estrangeiro as camisas imaculadas e fatinhos à medida vão dar boa imagem . Agora que lhe falta ali qualquer coisa, falta. Talvez um twist, arriscar mais na gravata, alternar mais a cor da camisa, ajudava. Ainda assim ninguém lhe tira um confortável 8 numa escala que vai até 10.

 

Paulo Portas é um estilo mais agricultor chique. Também em quadrante “tio”, adora a feira de cavalos da Golegã, só para dar aquele ar, ‘tá a ver?! Para além da postura estupenda do hipismo, o estilo sapato de vela ou mocassim, camisa axadrezada com 1 botão desapertado, calça beije ou azul escura, enquadra-se perfeitamente no estilo do líder do CDS. Agora mais confiante que nunca, Portas arrisca mais com um fato beije aqui ou acastanhado ali, para fugir ao clássico cinzento e azul. As gravatas não são lisas, pelo contrário, têm sempre apontamentos aqui e ali para não ser uma monotonia pegada e quer sejam risquinhas ou ínfimos apontamentos de cor, compõe-se logo uma outra pintura. Usa claramente fatinhos do El Corte Inglés, que é multimarcas e tem uma variedade imensa, para além de também optar por uma faceta mais casual, em Gant e Timberland. É um estilo diferente de Sócrates, porque é mais descontraído, mas ao mesmo tempo não é rígido como o de Passos Coelho, está ali no meio. Aliás, como na tendência política. Ora vai para um lado, ora cai para outro. E por estas e por outras, Paulo Portas em 10 tem um 6,5.

 

Ora bem, Francisco Louçã desloca-se de autocarro para a Assembleia da República, ou assim apregoa. Acho que é um factor a ter em conta, porque uma pessoa que utiliza frequentemente transportes públicos não pode usar um fato Prada nem Burberry, pelas razões óbvias. Posto isto, o estilo que o líder do Bloco de Esquerda adopta é a camisa em tom neutro, nada de fluorescentes, umas riscas aqui, uns pólos ali, nada de grandes luxos. Os óculos graduados dão todo um ar nerdy, que Louçã talvez ache trendy. O que ele não sabe, ou ainda ninguém lhe disse, é que agora se usam os óculos em massa. Os aros em metal são muito anos 90. Já passou.  Na verdade, a escolha dos outfits nem sempre é a mais feliz mas também não o podemos acusar de ser uma Lady Gaga. Deste modo, é capaz de comprar roupa na secção mais clássica da Zara, que em preço-qualidade até não está mal, Giovanni Galli que também tem sempre promoções porreiras e de vez em quando um devaneio e lá vão alguns euros a mais na Massimo Dutti, pena é que tem sempre olho para as peças mais feias. Para não dar negativa a ninguém e porque o senhor é capaz de se esforçar, nos intervalos em que pensa qual a melhor maneira de tirar José Sócrates do sério, recebe a razia: 5 em 10.

 

Jerónimo de Sousa, um senhor convicto da sua ideologia. Não sei se gostaria de ver o seu closet nacionalizado, no entanto só deve vestir made in Portugal. Claro está! Alfaiate à antiga, porque os velhos hábitos nunca morrem, e sempre que possível um estilo pulôver com camisa que não precisa ser 100% algodão, pode ter uma percentagem mínima de polyester desde que seja mais em conta. Visto isto, o líder do Partido Comunista opta por ser sóbrio também. No máximo, uma manga arregaçada mas só se alguém o arreliar, de resto é usual vê-lo de fato, como manda a regra. Com a idade, a vista não perdoa e os óculos são age appropriate, a moda dos óculos de massa é desculpável ao senhor Jerónimo. Quanto aos colarinhos, nem sempre estão no seu melhor, mas como é um senhor com uma postura aparentemente séria leva 6 em 10 e já vai com sorte.

 

Quanto a si caro leitor, concorda com a opinião do Zé? Não deixe de continuar a votar, até porque ainda nada está decidido:


Estudante de Farmácia, amante das ciências e das artes. Gosto particular por entretenimento em diversas áreas: televisão, cinema, teatro, música.

  • Que fantástico este post! ‘Tá a ver?!’