Estado da TV

Estado da TV #2

 

Seja bem-vindo à minha segunda crónica de opinião no Propagandista Social. Semanalmente estarei aqui para comentar a actualidade da nossa indústria televisiva. Conto consigo!

 

A SIC brilhou!

No horário nobre de Domingo a SIC brindou os telespectadores com mais uma edição da gala dos Globos de Ouro, um evento que já faz parte do património genético da estação de Carnaxide. Embora apelidada de “A Gala do Ano”, a verdade é que nem todas as edições fizeram justiça a essa designação, com especial destaque para os últimos anos. Foi por isso com surpresa que verifiquei que a gala do passado Domingo permitiu à SIC algo que há muito não acontecia e que tem um valor simbólico muito forte: durante aproximadamente três horas a estação de Pinto Balsemão esteve de regresso ao esplendor da segunda metade da década de 90.

A gala teve de facto todos os elementos importantes para brilhar e ofuscar toda a concorrência: um palco lindíssimo, vários momentos de grandiosidade televisiva, muito glamour, muitas caras conhecidas e muitas emoções fortes, com especial destaque para a merecida homenagem a Simone de Oliveira que arrepiou a plateia.

Não foi um espéctaculo elitista como já aconteceu em edições anteriores, mas também não caiu no popularucho (com excepção feita aos momentos de humor, falhados e totalmente desnecessários numa gala deste tipo), conseguindo um bom equilíbrio e por isso uma boa abrangência de público. Bárbara Guimarães sendo uma apresentadora que imprime sempre muita classe e elegância a tudo o que faz, também contribuiu decisivamente para a imponência da Gala.

O esforço para produzir um grande espectáculo televisivo foi notório nesta edição dos Globos de Ouro. Terá sido esta uma demonstração do que a dupla Gabriela Sobral /Júlia Pinheiro consegue fazer?

Reservo o último parágrafo para falar do outro lado da barricada. Na noite de Domingo (tal como na noite de Sábado)  a TVI mostrou mais uma vez que perdeu o “engenho e a arte” da contra-programação. Há demasiada preguiça  e insiste-se repetidamente nos mesmos erros de programação. Director de Programas: Precisa-se!

 

Filipe Vultos

Categorias
Estado da TVRubricas

Farmacêutico de formação, químico de profissão, com interesse no mundo do audiovisual e da televisão em particular. Tenho uma visão crítica e analítica sobre a televisão em Portugal estando especialmente atento às estratégias de programação e de promoção.

Comentários