Estado da TV

Estado da TV # 6

Por  | 

Seja bem-vindo à minha crónica de opinião semanal no Propagandista Social.

As Tardes da Júlia Fátima!

Foi há um ano que o meio televisivo foi surpreendido pela transferência de Fátima Lopes da SIC para a TVI. A notícia da transferência surgiu a uma sexta-feira ao fim da tarde sem que nada o fizesse prever, após Fátima conduzir mais uma emissão do programa vespertino “Vida Nova”.

Há muito tempo que Fátima tinha deixado de ser uma aposta de primeira linha do canal de Carnaxide. Oportunidades novas não surgiam. Fátima parecia fazer parte da mobília da SIC, sempre a apresentar os mesmos programas rotineiros de day-time, e vendo personalidades como Diana Chaves, Cláudia Vieira e Carolina Patrocinio (!) a terem oportunidades para apresentar programas de horário nobre. Não me surpreendeu por isso que Fátima procurasse uma “Vida Nova” na TVI. Afinal, ela era somente a melhor e mais empática apresentadora da SIC, com uma longa carreira recheada de sucessos e sempre pautada pelo amor à camisola, e por isso merecia mais, muito mais, por parte do canal de Balsemão.

E que se passou na TVI desde então? Não se pode dizer que Fátima não tenha fugido à rotina na estação de Queluz. O programa “Agora é que Conta”, primeiro projecto da apresentadora no canal, permitiu-lhe apresentar-se aos telespectadores num registo mais leve, descontraído e divertido. No entanto, cedo se percebeu que Fátima não estava talhada para aquele programa. E não porque estivesse mal na condução do concurso, mas sim porque pairava a sensação de que a Fátima Lopes sem um talk-show não era a Fátima Lopes com aquele estilo e aquela veracidade que tanto a caracterizam e que fizeram com que se tornasse numa das apresentadoras mais queridas de Portugal. Acresce a isto, o facto de rapidamente se ter percebido que o programa “Agora é que Conta” não passava de um upgrade do antecessor “Quem Quer Ganha”, ou seja, um simples concurso de call tv.

A chegada de 2011 trouxe a Fátima uma nova oportunidade para mudar de vida na sequência da saída de Júlia Pinheiro da TVI. Fátima assumiu então aquela que era a sua posição natural e voltou a conduzir um talk-show da tarde. Mas algo de estranho aconteceu. Com o receio da quebra de audiências, a TVI decidiu manter todo o formato do seu programa da tarde. O mesmo alinhamento, os mesmos temas, o mesmo ritmo e o mesmo cenário (apesar das mudanças ligeiras das cores). Só a apresentadora mudou. Ou seja, Fátima continua ainda hoje a apresentar “As Tardes da Júlia”. Não porque queira, mas porque na TVI ainda não perceberam que Fátima tem um estilo mais sóbrio, adocicado e emocional do que Júlia, e que por isso precisa de um formato à sua medida (e não um formato totalmente pensado por e para outra apresentadora) para conseguir brilhar. Será que José Fragoso vai conseguir ver isso e dar finalmente a Fátima as tardes da TVI?

Até para a semana,

Filipe Vultos

 


Farmacêutico de formação, químico de profissão, com interesse no mundo do audiovisual e da televisão em particular. Tenho uma visão crítica e analítica sobre a televisão em Portugal estando especialmente atento às estratégias de programação e de promoção.