Destaques

MTV Video Music Awards – A noite das Mulheres e da POP (crónica)

A noite mais esperada do Verão acontece este domingo. Os VMA 2011 têm lugar em Los Angeles e chegam a todo o mundo através da MTV. Atrever-me-ia a designar esta que é a 28ª edição como a noite das Mulheres e da POP.

Das mulheres. Olhando para as nomeações atribuídas pela MTV, percebemos facilmente que são elas quem domina. Katy Perry lidera com 10 nomeações que se dividem entre os vários singles do álbum “Teenage Dream” – “Teenage Dream”, “Firework”, “E.T.” e “Last Friday Night”. O sucesso do trabalho da cantora vai além dos VMA. Na semana passada Katy bateu um record de Michael Jackson ao deter 5 singles do mesmo álbum no primeiro lugar da tabela Billboard Hot 100. Ora, o sucesso alicia a crítica e Katy foi acusada de apenas fazer música pelos prémios e, claro, pelo dinheiro, em detrimento da Arte e da Cultura. Serão estas reprovações assim tão justificáveis? Não será que todos os artistas o fazem, em parte, por estes motivos? Afinal o mundo da música está altamente recheado de marcas, publicidade, contratos onde a imagem dos artistas vale milhares e milhares de euros e é vendida consoante o que digam, o que vistam, o que usem e… o que cantem. Não estou a defender a importância cultural de Katy, porque, verdade seja dita, as suas músicas acrescentaram muito pouco ao que a POP já nos tinha dado. Mas basta olhar para os números para perceber que a fórmula resulta e continuará a resultar por mais alguns anos enquanto a cantora fizer o que lhe compete a até hoje ainda não defraudou expectativas.

Centrando atenções noutras nomeadas, Adele é uma agradável surpresa com 7 indicações. Surpresa, não pelo seu talento, mais que provado, mas pela sua presença numa cerimónia como os VMA. A MTV está, cada vez mais, virada para o público jovem e altamente comercial – os vídeos de Britney, Katy Perry, Nicki Minaj e outras são exemplo disso – e ver uma cantora cuja sonoridade é claramente associada a um público mais maduro, com uma figura mais sóbria, e com actuações em público tão desprovidas de espectacularização, como seria típico de uma estrela POP, é, ironicamente, refrescante! Honestamente estou a torcer por Adele, não apenas pelo seu talento, mas pela peculiaridade da sua presenta no evento.

Há ainda que destacar, em termos de nomeações, Bruno Mars. Um dos poucos homens cuja voz se conseguiu ouvir este ano. Mars é outro cantor cujo elemento essencial é a voz. (Pode parecer verdadeiramente ridículo escrever isto, mas se pensarmos nos “cantores” e “artistas” que por aí andam, certamente é plausível.) É certo que se trata de um artista bem mais POP que Adele, mas ver as actuações de Bruno é um pouco como voltar aos anos áureos do Blues e do Soul, os tempos de Tom Jones e James Brown. “Grenade” e “The lazy song” deram as nomeações ao cantor que não é o característico papa-prémios e por isso não me surpreendia vê-lo sair da cerimónia de mãos a abanar. Vale pelas nomeações, pela música, pelo talento.

Outro homem sobre o qual residem expectativas é Kanye West, não apenas pelo que poderá fazer (recorde-se o episódio com Taylor Swift) mas porque é o artista masculino com mais nomeações. As colaborações com Katy Perry e Rihanna foram um merecido sucesso mundial. Contudo, uma verdadeira estrela é-o por inteiro, e se Kanye é um músico de topo, não tem a mesma postura na relação com o público e poderá ficar a perder por isso, numa cerimónia em que os vencedores são escolhidos pelos fãs.

A lista completa de nomeados para os VMA 2011

Mais uma vez, este ano, Lady Gaga é a atracção principal. O que vai vestir é sempre uma curiosidade quase mórbida. Depois do vestido de carne no ano passado, há quem diga que este ano a veremos como sereia ou como homem, mais precisamente, como Jo Calderone, dois dos seus alter-egos (inspirada pelo vídeo de “You and I”). A actuação de Lady Gaga é muito esperada quer pelo que a cantora já nos habituou, quer mesmo pelo aguçar da curiosidade que a MTV criou ao atribuir-lhe a abertura do espectáculo. A religião que Gaga criou é tal que não se fica pelos “little monsters”. A própria MTV converteu-se a Gaga. Poderia dizer que ela é mesmo a nova Britney… mas em bom! Porquê a comparação com Britney? Porque a ex-princesa da POP durante vários anos foi a headline da MTV. Estava presente em todas as cerimónias, tinhas direito a todas as regalias porque era economicamente rentável. Era sinónimo de audiências. E agora o mesmo se passa com Gaga. Se a Britney deram uma jibóia, é melhor nem pensar o que poderão dar a Lady Gaga porque, afinal, esta canta… mesmo!

Por falar em Britney Spears e da sua rentabilidade económica, a MTV decidiu prestar-lhe um tributo. A MTV diz que se justifica pelo ano de sucesso da cantora e porque os espectadores do canal são fãs da mesma. Quanto à primeira razão, vários outros artistas tiveram um ano de sucesso e não preciso referir nomes. Quanto à segunda, serão mesmo fãs? Não será Britney apenas um bobo da corte, cujos passos todos seguem para ver o que acontecerá a seguir? É certo que a cantora voltou em grande, mas a sua imagem já não é a mesma dos tempos de “Toxic” e “Everytime”. Não concordo com o tributo, ainda mais porque na mesma cerimónia se fará uma homenagem a Amy Winehouse, mas percebo o porquê e está a resultar. É a velha máxima a funcionar – mal ou bem, interessa é que se fale.

As actuações e presenças confirmadas nos VMA 2011

Da POP. Outra das fortes componentes dos prémios da MTV é a quantidade de estrelas mundiais por metro quadrado que podemos ver. Efectivamente, olhando para o cartaz dos VMA, o que não faltam são estrelas da POP. Beyoncé, Gaga, Adele, Mars, Pitbull, Chris Brown e até Jessie J vão actuar. Nicki Minaj, Selena Gomez, Joe Jonas e Taylor Lautner vão estar presentes. É notório o défice de estrelas da música mais alternativa, do verdadeiro Rock. Confesso que não sou apreciador desse tipo de música, mas sou adepto do pluralismo. Se é certo que é a música comercial, de que sou fã, domina o mundo, também é verdade que a MTV, enquanto MUSIC Television, deveria abranger uma “amostra” musical mais diversificada. É certo que num ramo cultural tão vasto e variado é difícil, mas não é impossível.

Para finalizar, tendo em conta a História dos VMA, acredito que esta será uma noite memorável. Tem tudo para o ser. As principais estrelas do momento estarão lá. A MTV conseguiu reunir o crème de la crème da música (ao contrário de outras edições) e, com a máquina bem oleada que tem, fará certamente uma emissão espectacular.

Ruben de Carvalho

Categorias
DestaquesMúsica

Media student, workaholic, tv-radio-web addicted, fashion victim, music lover. A life enjoyer.

Comentários