Palcos & Letras

Teatro Nacional D. Maria II suspende programação para 2012 (leia o comunicado de Diogo Infante)

Foi hoje enviado às redacções um comunicado assinado por Diogo Infante, director artístico do Teatro Nacional D. Maria II, com o objectivo de comunicar os drásticos efeitos neste teatro da actual crise económica, comprometendo, assim, a programação para 2012.

As medidas de austeridade anunciadas recentemente pelo Governo e os cortes previstos no novo Orçamento de Estado atingiram no caso do TNDM II um valor de 36% em 2012, agravado pelo aumento da taxa do IVA – 23%.

Diogo Infante salienta que este corte financeiro, superior ao efetuado nos restantes Teatros Nacionais, parece conter um erro de cálculo por ignorar três anos de gestão equilibrada e taxas de ocupação recorrentes acima dos 90%. Assim sendo, o actual projecto artístico do Teatro Nacional D. Maria II está em causa, o seu modelo de gestão e toda a programação para 2012.

Leia o comunicado na íntegra, enviado hoje às redacções.

As medidas de austeridade anunciadas pelo governo e os cortes previstos no recentemente aprovado Orçamento de Estado, atingiram no caso do TNDM II um valor acumulado em 2012 na ordem dos 36%, agravado pelo aumento da taxa do IVA (23%). O corte financeiro, muito superior ao efectuado nos restantes Teatros Nacionais, parece-nos conter um erro de cálculo e ignora 3 anos de gestão equilibrada e taxas de ocupação recorrentes acima dos 90%, comprometendo de forma irremediável o actual projecto artístico do TNDM II,  o seu modelo de gestão e toda a programação projectada para 2012.

A Direcção Artística e o Conselho de Administração do TNDM II  alertaram e tentaram sensibilizar a tutela para as inevitáveis consequências de tais medidas, disponibilizando-se desde sempre para concertar uma solução que viabilizasse um futuro para o TNDM II, com um mínimo de dignidade, qualidade e sentido de serviço público que lhe é exigido e que está reflectido nos seus estatutos e missão.

Até à data o Secretário de Estado da Cultura revelou-se impotente para, junto do Ministério das Finanças ou do Primeiro Ministro, encontrar uma solução que corresponda a uma vontade política de manter em actividade o primeiro teatro do país.

Perante este cenário, torna-se impossível elaborar um plano de actividades realista e viável para 2012, pelo que nos vemos obrigados a assumir publicamente a nossa incapacidade para honrar compromissos de programação com produtores, encenadores e actores, e com o próprio público, com quem estamos necessariamente implicados numa relação de proximidade e confiança, resultado do trabalho produzido nos últimos anos.

Projectos como a “A Morte de Danton” de Buchner, em co-produção com os Artistas Unidos e Guimarães – Capital Europeia da Cultura e com encenação de Jorge Silva Melo, ou “Lear” de W. Shakespeare, com Eunice Muñoz na protagonista, ficam assim seriamente comprometidos.

A Direcção Artística e o Conselho de Administração do TNDM II lamentam profundamente esta situação, mas é imperativo que todos tomem consciência das implicações que acarretam as medidas agora anunciadas, que vêm questionar desta forma a continuidade de uma estrutura basilar no panorama cultural português!

Diogo Infante
Director Artístico do TNDM II

Categorias
Palcos & Letras

Estudante de Farmácia, amante das ciências e das artes. Gosto particular por entretenimento em diversas áreas: televisão, cinema, teatro, música.

Comentários