Destaques

SoundCloud: Lady Gaga Marry… This Way (crítica ao novo vídeo)

O vídeo musical mais longo da carreira de Lady Gaga estreou ontem à noite. O vídeo de “Marry The Night” conta com a produção da própria cantora e dura quase 14 minutos. Nudez, explosões, cereais e (claro está!) coreografias arrojadas compõem a curta-metragem onde nos é dado a conhecer o início de Lady Gaga… por outras palavras, descobrimos por que “way she born”!

A curta-metragem de “Marry The Night” retrata um dos “piores dias” da vida de Lady Gaga. O vídeo para o quinto single do álbum “Born This Way” mostra os obstáculos pessoais de um momento-chave da vida da cantora: o seu despedimento da Def Jam, a sua primeira editora discográfica, dirigida por Jay-Z. Ao longo de 13 minutos e mais uns segundos vemos “a forma pessoal [de Gaga] ver as coisas”: “Se desistires depois de um episódio como este, nunca serás um artista”, remata a cantora.

O vídeo começa com a cantora inconsciente a ser levada por duas enfermeiras para uma clínica psiquiátrica enquanto ouvimos a narração da cantora: “Não é que eu seja desonesta. Simplesmente detesto a realidade”. A fase inicial do vídeo é estranhamente cómica (haverá melhor que enfermeiras de um hospício vestidas por Calvin Klein?!), sendo-nos permitido “ter a minha percepção sobre todo o processo criativo e da maneira como eu vejo as coisas”, diz a cantora.

O conflito interior que a Gaga viveu e o desejo de evasão manifestam-se no diálogo com uma das enfermeiras: Eu vou ser uma estrela. Sabes porquê? Porque não tenho nada a perder!”.

0,,60152716,001345869-marry-the-night-gaga-617-409111013X5

O ritmo do vídeo muda completamente. De um hospital assustador passamos para um quarto de hotel que, segundo a própria, é bastante idêntico ao apartamento onde passou parte do referido dia. Nele, a cantora parece ter uma epifania – ora está nua na banheira a pintar o cabelo de azul, ora chora e se delicia com cereais (?). Um claro ato de loucura a fazer lembrar as cenas do filme “Cisne Negro”. Segundo Gaga, este é o “momento mais sincero” e mais próximo da realidade de todo o vídeo… incluindo as cenas de nudez.

A loucura dá lugar ao êxito. Gaga sai de um carro acabado de explodir tal como uma estrela eclode para o showbiz. Daí a dominar um grupo de dançarinos num cenário escuro (a fazer lembrar o vídeo de “Born This Way”) e a recuperar o brilho que já lhe conhecemos são só umas aulas de dança, bem ao estilo de “Fame”.

Marry The Night” culmina com o destino de Gaga. Depois de despedida da Def Jam, dentro de um carro – pronta a seguir viagem – a cantora dirige-se para o próximo destino: na sua mão tem inscrita a morada da Interscope Records, a sua atual editora discográfica.

Na minha opinião este não é apenas mais um vídeo de Lady Gaga. O vídeo não marca apenas pelos longos 13 minutos e 40 segundos, nem pelo facto de ser realizado pela cantora (não fez nada que não tivesse feito em “Telephone” ou “Bad Romance”… a não ser aparecer nua!). Marca por ser o vídeo mais pessoal da artista do momento. Marca por representar a morte de Stefani Germanotta e o início da figura que é “Lady Gaga”. Marca por representar a superação de obstáculos da vida real, por parte de uma heroína idolatrada por mais de 45 milhões de gostos no Facebook e por mais de 16 milhões de followers no Twitter. Se quisermos ir mais longe, marca por ser um retrato da cultura pop contemporânea: música, imagem, moda e emoção. Paws up para Lady Gaga… que é como quem diz “Bravo!”.

Veja o vídeo de “Marry The Night” de Lady Gaga:

httpv://www.youtube.com/watch?v=cggNqDAtJYU

Categorias
DestaquesMúsicaSoundCloud

Media student, workaholic, tv-radio-web addicted, fashion victim, music lover. A life enjoyer.

Comentários