Espaço Séries

Dois Homens e Meio

O Espaço Séries regressa hoje com a análise de “Dois Homens e Meio”, um programa que desde 2003 tem conseguido conquistar legiões de fãs um pouco por todo o mundo.

Durante 8 temporadas, “Dois Homens e Meio contou-nos a história de Charlie Harper (Charlie Sheen), um solteirão de bem com a vida que foge de qualquer tipo de responsabilidades. Escritor de jingles para televisão, Charlie é um verdadeiro Don Juan, cujo prazer assenta na sedução das mulheres, perdendo o interesse no momento em que as conquista. Este estilo de vida casual e descontraído é, contudo, interrompido um dia quando o seu irmão Alan (Jon Cryer) se divorcia e implora a Charlie que o receba durante alguns dias. Esses dias acabarão por se transformar em anos, e logo se junta à trama Jake, o filho de Alan, de apenas 10 anos.

Fracassado, inseguro, forreta, Alan é o verdadeiro oposto do seu irmão. Ao contrário do estilo boémio de Charlie, o irmão tem grandes dificuldades nos relacionamentos, principalmente em mantê-los. Jake, por seu lado, é uma criança divertida mas pouco inteligente, de higiene muito questionável.

Apesar das dificuldades entre eles, Charlie e Alan conseguem aproximar-se, algo que nunca antes tinha acontecido, principalmente por partilharem um grande amor e dedicação a Jake.

Em 2010, o alegado comportamento disruptivo de Charlie Sheen, em especial com o produtor executivo da série, Chuck Lorre, levou a uma suspensão abrupta da série na sua oitava temporada. A troca de acusações entre o actor e o produtor envolveram a série num enorme escândalo, mas em 2011 a decisão oficial saiu finalmente: Sheen foi despedido, e Ashton Kutcher foi contratado para protagonizar a série.

Neste sentido, a nona temporada significa a morte oficial do personagem Charlie, sendo que a casa de praia deste é vendida ao multimilionário Walden Schmidt (Ashton Kutcher), um génio da informática que está a atravessar um processo de divórcio. Para sua grande felicidade, Alan consegue ficar a viver com Walden.

O sucesso de “Dois Homens e Meio” não é questionável, sendo que desde 2003 que a série se mantém no Top 20 dos programas mais assistidos nos Estados Unidos. Agora, muita especulação envolve esta nona temporada, sendo que muitas vozes críticas não consideram que a série seja capaz de sobreviver sem Charlie Sheen. Previsões à parte, “Dois Homens e Meio” foi e continua a ser uma série divertida. Um produto simpático para descontrair em qualquer altura.

Categorias
Espaço Séries

Comentários