Destaques

SoundCloud | Artistas 2011: Lady Gaga

Lady-Gaga-performs-onstag-001

O SoundCloud continua a revisitar 2011 e as estrelas que marcaram o ano. Hoje atendi o “Telephone”. Era ela. Disse-me que “You & I” tínhamos um “Bad Romance” e que hoje íamos “Just “DanceIn The Dark” na “Edge of Glory”. Primeiro fiquei com uma “Poker Face” e depois percebi que o que ela queria era “Marry The Night”. Parece estranho? É normal… I “Born This Way”!

131653471O ano que agora se finda  fica marcado para Lady Gaga pelo tão aguardado novo álbum, pelo tão ambicionado fim da digressão mundial, e pela tão habitual polémica que alimenta a carreira da cantora. Enfim, foi um 2011 tão Gaga, que só poderia fazer dela uma das artistas do ano.

O ano de Gaga não poderia ter começado da melhor forma: a apresentação oficial do single de avanço para o novo álbum. A cantora chegou à cerimónia de entrega dos Grammys dentro do tão falado ovo (onde estaria fechada à três dias… ou não) e de lá só saiu para cantar “Born This Way. A música irritantemente viciante não é nada de outro mundo. A sonoridade é semelhante a tantos outros singles antecedentes. Na altura a critica louvou-lhe a letra e a capacidade de Gaga enquanto compositora. De outro planeta foi o vídeo de “BTW. Durante os longos 7 minutos do vídeo vemos (finalmente) a tão ansiada bíblia para os little monsters: o manifesto da Mother Monster. De resto é o habitual: Gaga a dançar, Gaga a cantar e… Gaga a dar à luz armas (?).

Entretanto, em Maio de 2011 explodiu a “Monster Ball”, a digressão que a cantora já arrastava pelo mundo desde Novembro de 2009 (!). Ao todo, os cerca de 200 espetáculos foram vistos por 2,5 milhões de pessoas (lotação média de 99%) e resultaram em mais de 227 milhões de dólares. O sucesso desta digressão prende-se essencialmente com dois motivos. Em primeiro, a verdadeira religião que Gaga (ou a Haus of Gaga) criou e que move milhões e milhões de fiéis little monsters espalhados por todo o mundo que a veneram a cada instante. Em segundo, o verdadeiro espetáculo que Gaga proporciona em palco. A “Monster Ball” mostra o lado mais teatral da cantora e põe em palco um carro, uma carruagem de metro, um peixe gigante e fantásticos artistas: os músicos e dançarinos que a acompanham são tão carismáticos e talentosos como Gaga. A meu ver, é em palco que os grandes artistas se revelam, e nesta prova, Gaga tem nota máxima: excelente interpretação, excelente prestação vocal, excelente coreografia, excelente cenografia. Os fãs gostaram e pediram tanto que Gaga deu: em novembro foi editado o DVD que perpetua a digressão com a apresentação do concerto no Madison Square Garden, em Nova Iorque.

012~0

41259_LadyGaga_OnstageMTVEuropeMusicAwards2011inBelfast_November62011_By_oTTo48_122_402loEm Maio chegou o tão desejado Born This Way”! Uma artista tão complexa não se satisfaz com o rótulo de POP. Como tal, o heavy metal, o rock, o disco e até mesmo a opera e o mariachi estão presentes no álbum. Esta mescla de sonoridades, juntamente com letras verdadeiramente brilhantes, têm um resultado explosivo. Sim, é Pop comercial. Mas ao contrário da maioria, tem conteúdo (muitos dos temas são biográficos) e vale por isso.

Um ano Gaga não seria Gaga sem alguma polémica. Ora, no que respeita à controvérsia, a cantora  de “Poker Face” é especialista. A contestação começou em torno do vídeo de “Born This Way” (um verdadeiro hino à auto-estima) no início do ano sobre as imagens do “parto” de Gaga, e as acusações de plágio de “Express Yourself” de Madonna. Seguiu-se “Judas” que pôs a igreja de joelhos a rezar aos céus. O vídeo recria algumas passagens bíblicas e fala de uma suposta paixão de Gaga enquanto Maria Madalena (discípula de Jesus, com quem se afirma que se terá envolvido e tido filhos) e a sua paixão por Judas. A partir daí assistimos a uma sucessão de três singles biográficos: “Edge of Glory”, cuja letra foi escrita após a morte do avô da cantora; “You & I fala do amor da sua vida e da relação marcante que ambos passaram; “Marry The Night” retrata um dos dias mais importantes da vida de Gaga, desde que foi despedida da sua primeira editora (a Def Jam) até à entrada para a Interscope Records, a sua atual editora discográfica. Aqui estão alguns dos segredos do sucesso de Gaga: tornar as músicas realmente suas, partilhando aquilo que é a sua história com os seus admiradores. Um artista hoje não se faz apenas da música. A cima das melodias, está quem as canta. É por estas personagens que os fãs se apaixonam. E haverá maior personagem que “Lady Gaga”? A verdade é que a cantora consegue juntar num único ser: uma fantástica cantora, uma boa bailarina, uma atriz digna de um Oscar, um ícone da moda, e uma pessoa comum com todas as suas frustrações e alegrias como qualquer um de nós. Deve ser cansativo (e por isso poucos o alcançam), mas parece que esta é a receita para o sucesso. Bravo!

O ano de 2011 termina com Gaga a afirmar que já está a preparar o próximo álbum à medida que planeia a nova tournée mundial, até agora denominada “Born This Way Ball”. Segundo a própria, a digressão será ainda maior que a “Monster Ball” e durará…. 3, 4 anos? Se 2011 foi um ano gagalicious, em 2012 a cantora não fará por menos. Os little monsters que se preparem. Poderia desejar um ótimo ano a Gaga mas provavelmente ela responderia “I’m freak b*tch, baby!”. Como tal e para não ferir (mais) susceptibilidades… Paws Up para 2012!

SoundCloud Especial – As melhores artistas de 2011

Para celebrar 2011, proponho o espetáculo da “Monster Ball Tour” que Lady Gaga apresentou no Madison Square Garden:

Categorias
DestaquesMúsicaRubricasSoundCloud

Media student, workaholic, tv-radio-web addicted, fashion victim, music lover. A life enjoyer.

Comentários