Cinema

Óscares 2012: Categoria Melhor Montagem

O prémio de Melhor Montagem é considerado como um importante indicativo de quem irá arrecadar o Óscar de Melhor Filme. Analisando o histórico da Academia, existe uma forte relação entre as duas categorias, mas obviamente que nem sempre é o mesmo filme a subir ao palco. No ano passado por exemplo, o Óscar foi para Kirk Baxter e Angus Wall, com o filme “A Rede Social”, contudo quem saiu vencedor na categoria mais importante da Academia foi mesmo “O Discurso do Rei”.

Para já ainda não é possível sabermos se a prognóstico se revelará correto este ano, mas quatro dos filmes nomeados estão também indicados para receber o Óscar de Melhor Filme. A única exceção é “Millenium 1: Os Homens que Odeiam as Mulheres”.

Saiba mais sobre os nomeados.

httpv://www.youtube.com/watch?v=Y7rm_p6k82w

A Invenção de Hugo

(Thelma Schoonmaker)

Tratando-se de um filme que interlaça diversas histórias e acontecimentos, sem um trabalho bem realizado na sala de edição o filme perderia grande parte da sua qualidade. Thelma Schoonmaker está à altura desse desafio, conseguindo uma produção dinâmica, envolvente e criativa. É o grande braço direito de Martin Scorsese, tratando da edição da grande maioria dos seus filmes, três deles premiados com o Óscar de Melhor Edição: “O Touro Enraivecido” (1980), “O Aviador” (2005) e “The Departed – Entre Inimigos” (2007). Esta é a sua sétima nomeação.

O Artista

(Anne-Sophie Bion e Michel Hazanavicius)

Que Michel Hazanavicius fez um trabalho extraordinário na realização de “O Artista” já não é novidade. Contudo, o trabalho efetuado na sala de edição juntamente com Anne-Sophie Bion não ficou nada atrás. “O Artista” é um filme que se desenrola com uma naturalidade e envolvência extraordinárias, elementos determinantes para cativar um público tão dependente do cinema sonoro. É a primeira nomeação para ambos nesta categoria.

Os Descendentes

(Kevin Tent)

Kevin Tent trabalha lado a lado com Alexander Payne desde “Citizen Ruth” (1996), o primeiro filme do realizador. Com “Os Descendentes”, o editor teve a responsabilidade de conceder a intensidade dramática e fluidez da narrativa que a história exigia. Apesar do resultado final corresponder às expectativas, não é equiparável ao desafio que outros editores tiveram que enfrentar. Esta é a sua primeira nomeação pela Academia.

Millenium 1: Os Homens que Odeiam as Mulheres

(Kirk Baxter e Angus Wall)

Kirk Baxter e Angus Wall desenvolvem uma dupla de verdadeiro sucesso. Nomeados pela terceira vez ao Óscar de Melhor Montagem, os editores venceram no ano passado com “A Rede Social”. Estão habituados a enfrentar desafios com a edição de filmes extremamente longos, e o facto de terem sido eles os responsáveis por “O Estranho Caso de Benjamin Button” (mais de 3 horas de filme) é a prova disso. “Millenium 1: Os Homens que Odeiam as Mulheres” tem mais de 2 horas de duração.

Moneyball

(Christopher Tellefsen)

Christopher Tellefsen é um editor americano, e esta é a sua primeira nomeação pela Academia. À semelhança de “Os Descendentes”, a sua edição é muito linear, nunca chegando a destacar-se no contexto global do filme. É certo que Christopher Tellefsen não desilude, mas também não deslumbra. Por isso mesmo, é pouco provável que vejamos o editor a subir ao palco no dia 26 de fevereiro.

Categorias
Cinema

Comentários