Cinema

Óscares 2012: Melhor Filme

Na noite da cerimónia dos Óscares, são muitas as estatuetas douradas que são distribuídas, nas mais diversas categorias. Contudo, desde a sua primeira edição, não existe prémio mais aguardado e cobiçado do que…o Óscar de Melhor Filme. No passado, a categoria de melhor filme era denominada de best production, ou Óscar para a melhor produção.

Conheça os nomeados deste ano:

httpv://www.youtube.com/watch?v=ttYJfIe4b3s

“A Invenção de Hugo”

Hugo é uma criança órfã que vive sozinha numa estação de comboios parisiense desde o desaparecimento repentino do seu tio alcoólico. Obcecado em concertar coisas, o rapaz cuida dos gigantes relógios da estação, ao mesmo tempo que tenta desesperadamente arranjar um velho robô, o último projeto que partilhou com o seu pai antes da sua morte.

Leia a crítica aqui.

“O Artista”

A história remete-nos ao ano de 1927, quando George Valentin, um verdadeiro fenómeno de sucesso na era do cinema mudo, conhece Peppy Miller, uma aspirante a atriz. A atração entre os dois é evidente, mas subitamente um desastre abate-se sobre a vida da vedeta de Hollywood: o cinema sonoro. E enquanto George recusa-se a aceitar a nova era nas salas de cinema, Peppy abraça o futuro e torna-se numa estrela.

Leia a crítica aqui.

“Meia-noite em Paris”

Gil é um argumentista que sonha vir a ser um dia um grande escritor, aproximando-se dos grandes artistas da literatura clássica que tanto idolatra. Numa viagem a Paris com a sua noiva, o jovem descobre numa noite que, à meia-noite em Paris, se abrem as portas mágicas para a década de 20. E na “Belle Époque”, a época em que viveram grande parte dos seus ídolos, Gil vê-se rodeado de todas as pessoas com que sempre ambicionou conviver um dia.

Leia a crítica aqui

“A Árvore da Vida”

A Árvore da Vida” é uma viagem pela história de Jack, desde a inocência da sua infância até à desilusão da sua vida adulta. Jack é o filho mais velho de uma família americana que cresceu sob o olhar atento de um pai severo, que tenta a todo o custo criar os filhos para serem vencedores, quando ele próprio se considera um perdedor. E enquanto os anos passam, Jack tenta fazer as pazes com o seu passado, atormentado pela morte prematura do irmão e pela relação complicada com o pai.

Leia a crítica aqui.

“Cavalo de Guerra”

Cavalo de Guerra” conta-nos a história da notável amizade entre um cavalo chamado Joey e um jovem chamado Albert. Quando eles são obrigados a separar-se, o cavalo Joey embarca numa extraordinária jornada. Por entre a violência da Primeira Guerra Mundial, Joey altera e inspira a vida daqueles que encontra pelo seu caminho – cavalaria britânica, os soldados alemães, e um fazendeiro francês e sua neta.

Leia as críticas divergentes aqui.

“As Serviçais”

Skeeter sempre sonhou ser escritora. Quando regressa à sua cidade natal, Skeeter decide escrever um livro sobre as serviçais, governantas negras que criam as crianças das famílias brancas como se fossem suas.  Numa sociedade minada de preconceitos, estas mulheres são maltratadas e ostracizadas pela comunidade. E é desta forma que Skeeter se une a duas governantes, numa viagem honesta e cruel sobre a realidade em que a população de raça negra vivia na década de 60.

“Os Descendentes”

Matt é advogado e um dos homens mais ricos do Hawaii. Quando a sua mulher Elizabeth tem um acidente de barco e fica em coma, Matt, que sempre fora um pai e marido ausente, tenta pegar nas rédeas da sua família e levar a vida para a frente. Ao mesmo tempo que tentam lidar com o final próximo de Elizabeth, Matt e as suas filhas tentam fazer as pazes com o passado e encontrar, de algum modo, uma esperança para o futuro.

Leia a crítica aqui.

“Extremamente Alto, Incrivelmente Perto”

Oskar Schell é uma criança excecional, que procura compreender a morte do seu pai, uma das vítimas dos ataques ao Wall Trade Center a 11 de Setembro de 2001. Depois de encontrar uma misteriosa chave que pertencia ao seu pai, Oskar embarca numa viagem pelos cinco distritos de Nova Iorque. Enquanto vagueia pela cidade, encontra uma grande variedade de diferentes pessoas, cada uma sobrevivente à sua própria maneira.

“Moneyball”

Baseado numa história verídica, “Moneyball” conta-nos a história de Billy Beane (Brad Pitt), o treinado de uma equipa de baseball que acabou de perder os seus maiores jogadores para outras equipas. Para evitar o desastre nos resultados, a equipa vê-se obrigada a reinventar-se com um orçamento muito limitado. E é precisamente nesse momento de desespero que surge o economista Peter Brand (Jonah Hill), que sugere que a contratação dos jogadores seja apoiada em estatística.

Leia a crítica aqui.

Categorias
CinemaDestaques

Comentários