Destaques

SayMyName: “Comecei a perceber que o meu público se encontrava mais na Ásia” (Entrevista)

Catarina Sequeira

Desengane-se se já tiver visto a marca SayMyName e achar que é estrangeira; esta marca é  portuguesa e foi criada por portuguesa, em 2007; porém, em relativa curta existência, SayMyName já se conseguiu propagar pelos quatro cantos do mundo, tendo encontrado o seu mercado principal na Ásia.

Foi durante o primeiro dia (dia 8 ) da 38ª edição do Moda Lisboa, que o Propagandista Social teve a oportunidade de espreitar a colecção de Inverno 2013 da marca e de falar com Catarina Sequeira, a criadora deste conceito.

Propagandista Social: Podíamos começar por fazer um contexto temporal da marca SayMyName. Começou em 2007, certo?

Catarina Sequeira: Sim, a marca começou a ser comercializada em 2007. Eu comecei, a partir desse ano, a ser agenciada em Portugal e depois as coisas foram evoluindo; entretanto, comecei a perceber que o meu público se encontrava mais na Ásia do que propriamente cá, quer pelas formas quer pelo design. Consegui arranjar pontos de venda em Hong Kong e em 2010 consegui agenciamento, também em Hong Kong, sendo uma agência que me representa na Ásia e no Médio Oriente.

P.S.: Essa relação que estabeleceu com a Ásia foi propositada ou foi mero acaso?

C.S.: Eu pesquisava muito e sentia que havia muito mais aceitação dos outros países do que propriamente de Portugal. Também aconteceu porque ia à procura disso. E com alguma facilidade, recebi um feedback muito positivo da parte dos Asiáticos. Eles são completamente apaixonados por tudo o que seja feito na Europa e gostam de peças que sejam feitas com qualidade; e é essa a referência que têm relativamente, por exemplo, de Portugal. Eles sabem que cá têm essa qualidade, não tanto pelo design, mas a nível de confecção.

A marca tem ganho fãs exponencialmente, principalmente na Ásia, marcando presença assídua em revistas de moda e sendo escolhida por personalidades para vestir em eventos. Nesta foto, a cantora e actriz chinesa Charlene Choi (à direita) usa peça de SayMyName

P.S.: Como descreve o conceito da marca SayMyName?

C.S.: A minha maior preocupação é o conforto. Portanto, quase 100 % da colecção é toda feita em malha ou derivados de malhas, porque para mim isso é fundamental; só que depois aliado ao conforto, há sempre a componente de design, que acaba por ser uma mais-valia para a peça e para quem a vai vestir. Eu poderia dizer que o público-alvo é dos 20 aos 30, mas tenho clientes que têm 50 anos. Portanto, é para qualquer idade. Penso que isso tenha a ver com a mentalidade e com a maneira como a pessoa se sente.

P.S.: E como explica esta nova colecção de Inverno 2013?

C.S.: A colecção foi inspirada nos samurais, que eram guerreiros leais dos imperadores japoneses. Peguei um pouco nas armaduras que eles usavam, nomeadamente nos ombros e abdómen, e enfantizei todos os detalhes com os cortes e colaretes.

Samurais e Yoroi, as suas armaduras: a grande inspiração para a colecção Inverno 2013

P.S.: Quais são os seus planos para o futuro, a nível Nacional e Internacional?

C.S.: Serão sobretudo a nível Internacional. Quero continuar a fazer feiras internacionais e estou, neste momento, a tentar arranjar agentes no Japão. Acho que a minha colecção acaba por ser mais nipónica e, como tal, talvez tentarei nos Estados Unidos [da América], mas será sobretudo na Ásia.

Mais informações: http://www.saymyname.pt/

Categorias
DestaquesEntrevistasEspeciaisModa

Comentários