Cinema

Os segredos de Tim Burton

Tim Burton na exposição que lhe é consagrada, em Paris

Tim Burton revelou aquilo que o marcou para construir o seu próprio estilo cinematográfico. Este ano o realizador vai lançar dois novos filmes: em maio chega “Dark Shadows”, um conto gótico, e a fábula “Frankensweenie” estreia em outubro (veja o trailer em baixo).

O Desenho

“Não falo muito, nem muito bem. Desenhar foi o meio que encontrei para me exprimir sem falar. Transformar as emoções desenhando é importante para toda a gente. Estava mais à vontade porque podia ter ideias sem passar por um ponto de vista intelectual. A melhor lição que recebi foi na CalArts (escola de arte Disney): “Desenha apenas o que sentes”.»

A Cultura «B»

«Cresci numa cultura muito conformista: BD, filmes de série B. Sentia-me ligado a personagens como Frankenstein ou King Kong. Eram símbolos emocionais muito fortes daquilo que ressentia.»

A Infância

«Representei o que vivi na minha infância porque somos o resultado de uma educação, mas há sempre uma dimensão fantástica. As crianças não têm medo dos monstros. Perguntaram-me a partir de que idade podíamos ver filmes. Acho que as crianças são os melhores juízes: se têm medo, fecham os olhos. Vi filmes de terror aos três anos de idade, mas eram os meus pais que se escondiam no sofá. As crianças sabem do que devem ter medo ou não. Depois, já não sabemos mais, esquecemos.»

Hollywood

«Passei a minha vida a tentar tornar-me um ser humano. É o contrário de Hollywood, que tenta transformar os seres humanos em mercadoria.»

Primeira imagem oficial do filme de Tim Burton, Dark Shadows

Os Cineastas

«Kubrick é um dos maiores cineastas de todos os tempos, com «Charlie e a Fábrica de Chocolates», em 2001. É uma referência natural para mim. O outro cineasta que contou muito para mim é Ray Harryhausen. Foi posto de lado por causa da evolução tecnológica, mas é um artista incrível, que me influenciou muito, pela sua maneira de fazer evoluir as suas personagens, o movimento que lhes dava, o sonho que criava através das suas técnicas.»

Combate

«Cada filme é um combate, o que é algo bom. Quando temos como eu um rótulo “estranho” fiamo-nos sempre de vocês. Perguntamos a nós próprios qual vai ser a loucura que vou cometer. Adquiri uma certa filosofia e aceito essa realidade. Para mim, o mais importante são os momentos em que posso ter tempo para criar.»

Preferência

«É sempre difícil, para um realizador, falar do seu filme favorito porque, dizê-mo-lo frequentemente, é como escolher entre os seus filhos. No entanto, guardo os momentos que prefiro em cada filme, excertos. Ainda assim tenho uma preferência para «Eduardo Mãos de Tesoura», que é sem dúvida o meu filme mais pessoal.»

Veja o trailer do próximo filme de Tim Burton, “Frankensweenie”:

Categorias
Cinema

Comentários