Televisão

“De volta à França” é a Grande Reportagem SIC desta semana

Numa semana em que as eleições francesas ganharam especial destaque nos espaços noticiosos, a SIC opta por transmitir uma grande reportagem, de Carlos Rico, sobre os emigrantes portugueses em França.

Quando a miséria tomou conta de um “Portugal amordaçado”, como Mário Soares lhe chamou, a França foi “pátria-refúgio” de milhares de portugueses. Quarenta anos depois, com o país mergulhado numa crise económica sem precedentes, milhares de homens e de mulheres  voltam a encarar a quinta maior economia do mundo como uma tábua de salvação.

Vítor Rosa tem 41 anos, dois filhos e uma licenciatura em sociologia.
Durante 10 anos, foi quadro técnico da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo. Em 2008 foi “dispensado por decreto”, como faz questão de frisar e, desde então, nunca mais conseguiu um emprego estável. Em janeiro rumou à capital francesa. Pouco tempo depois ficou sem dinheiro e teve de recorrer à Santa Casa da Misericórdia de Paris e ao “Resto du Coeur”, uma espécie de “sopa dos pobres” dos franceses. Conseguiu, entretanto, um emprego, e já não pensa voltar a Portugal. Diz que se “divorciou do país no dia em que entrou no avião para a capital francesa”.

Sandra Raimundo é uma reincidente.
Após vários anos de trabalho em França, convenceu o marido a regressar às origens, na região de Alcobaça. Achou que era chegado o momento de refazer avida junto da mãe e dos irmãos, mas rapidamente se apercebeu que, afinal, o país não lhe oferecia condições mínimas de subsistência.

Regressou a França, a Poissy, com uma certeza na bagagem: “Se tiver de passar fome prefiro passar fome no meu país, mas aqui só passa fome quem quer”.

 Miguel Brito tem 43 anos e é empreiteiro nos arredores de Paris.
Emprega cerca de 40 portugueses, mas todos os dias lhe batem à porta a pedir trabalho. “Difícil, mesmo, é arranjar alojamento”, explica o empresário da região de Braga que improvisou uns quartos, nas traseiras do escritório da empresa, para abrigar, temporariamente, quatro dos seus empregados. A verdade é que dois deles já ali moram há dois anos e meio. “Não lhes cobro um tostão” – diz Miguel Pires. “Só não quero que passem o que outros passaram, há muitos anos, quando vieram para França”.

Estes são três exemplos da nova vaga de emigrantes portugueses que, com o apoio da comunidade luso-descendente  em França, tentam dar um novo rumo à vida.

“DE VOLTA A FRANÇA”, este domingo, na Grande Reportagem SIC.

FICHA TÉCNICA:
Jornalista – Carlos Rico;
Imagem – Miguel Carlos Cabral;
Edição de Imagem – António Soares;
Grafismo –  Cláudia Ganhão;
Produção – Maria Calado/Isabel Mendonça;
Coordenação – Cândida Pinto;
Direção – Alcides Vieira

Categorias
Televisão

Se o Jornalismo não se pode considerar uma ciência temos certamente de olhá-lo como uma arte. A arte de saber contar estórias e marcar a história. Estudante de Jornalismo (ESCS-IPL)

Comentários