Destaques

Diário do Optimus Alive: 15 de julho, o dia em que os Radiohead esgotaram o Alive

15jul

Depois de tantos meses de ânsia, o Optimus Alive esgota-se em apenas 3 dias… e não poderia esgotar-se melhor. Os Radiohead encerraram o Palco Optimus com chave de ouro. Por lá os PAUS e os The Kooks também encantaram.

Diário do Optimus Alive: 13 de julho, o dia mundial do rock foi para os LMFAO e os Buraka
Diário do Optimus Alive: dia 14, o dia dos The Cure e da “boa vibe”

Paus

19h30 – O último dia de festival começa com música portuguesa no Palco Optimus. Os PAUS trouxeram para o Alive o álbum homónimo e arrastaram os fãs mais que fidelizados para a frente do palco. De portugueses para portugueses (e alguns estrangeiros), os PAUS puxaram pelo público ao longo de todo o concerto, e com sucesso. Exceção apenas para as vezes sem conta que pediram ao público para se despir, mas com pouca adesão (talvez por causa do vento que se faz sentir junto ao rio). Houve ainda direito a dois momentos de crowd surfing num visível ato de contentamento dos PAUS por atuarem no palco principal do festival. Um pequeno passo para o Alive, um grande passo para os PAUS.

The Kooks

20h20 – Luke Pritchard voltou a Portugal para espalhar charme. Para abrir o concerto, os The Kooks escolhwram “Seaside”, a música ideal para deixar a ala feminina do Alive rendida. Como se não bastasse, o vocalista deu o gosto ao pé e mostrou as suas aptidões para a dança. Do alinhamento refrescante – apropriado a um festival de verão – o destaque vai para “See the World”, “Sofa Song” e “She Moves In Her Own Way”.

Caribou

21h35 – Caribou cantou, Caribou tocou, mas o público do Alive parecia estar noutra. Com pouca reação por parte do público, Dan Snaith e companhia recriaram o ambiente de estúdio ao desconstruir e reconstruir música. Entre sons eletrónicos e outros mais orgânicos, passaram “Jamelia”, “Odessa”, “Leva House” e o derradeiro “Sun”, mas os festivaleiros em frente ao Palco Optimus estavam era concentrados no que viria a seguir que, em uma palavra, se resume a: Radiohead.

Radiohead

01h00 – Os Radiohead chegaram ao Alive como cabeças de cartaz do último dia, ou melhor, de todo o festival, e em palco deixaram bem claro porquê.

À primeira vista, e antes de qualquer apontamento musical salta à vista todo o espetáculo luminoso montado em palco: ecrãs gigantes e uma cascata de luzes neon que nos enchem os olhos. No meio surge  a banda liderada por um Thom Yorke que parece deixar-se possuir pela música, esbracejando e esperneando, ou como ele lhe deverá chamar, dançando, exatamente como no estranho vídeo de “Lotus Flower”.

Falemos de música. É certo que os Radiohead de hoje não são os Radiohead que há 10 anos visitaram Portugal. Eles próprios o afirmam. A evolução na musicalidade na banda é notória. Mas se em muitos casos que agora nos passam pela cabeça isso não resulta, no caso dos Radiohead a história é outra. Em palco, o grupo faz com que tudo flua de modo natural, não mudando aqui ou ali porque a música, e o tempo, assim o obriga.

Durante o dia só se ouvia falar em “Creep”, mas à noite, ficámos a saber que o maior êxito comercial dos Radiohead não fazia parte do concerto. Para os verdadeiros fãs do grupo, isso não viria a ser assim tão relevante. “Paranoid Android”, o maior sucesso do aclamado “Ok Computer”, levou a maior ovação da noite, a par de “Everything In Its Right Place” do álbum “Kid A”, pertencente a uma fase diferente do percurso da banda (o que só comprova o que dissemos antes). As duas horas de concerto concentraram-se em “King Of Limbs”, o álbum mais recente da discografia dos Radiohead. Os destaques da noite vão também para “15 Step”, “I Might Be Wrong”, “Weird Fishes/Arpeggi”, “Exit Music”,”Pyramid Song” e “Everything In It’s Right Place” (com uma introdução de “The One I Love” dos R.E.M.).

O concerto terminou com Thom Yorke e o público a cantarem a uma só voz “Street Spirit (Fade Out)”. Antes de partir para outro destino, o vocalista dos Radiohead disse de forma sugestiva que “10 anos é muito tempo, vamos tentar que da próxima vez o intervalo seja menor”. Nós cá os esperamos!

Cartaz do Optimus Alive 2012

15 de julho

Palco Optimus
Radiohead – 22h30
Caribou – 20h50
The Kooks – 19h35
PAUS – 18h30

Palco Heineken
Metronomy – 03h10
The Kills – 01h50
SBTRKT – 00h30
Mazzy Star – 21h30
The Maccabees – 20h20
Warpaint – 19h15
Miles Kane – 18h10
Eli ‘Paperboy’ Reed – 17h00

Palco Optimus Clubbing
Seth Troxler – 02h30
Moullinex + Xinobi – 01h10
Carbone Airways – 00h30
B Fachada – 21h00
Márcia – 19h40
Best Youth – 18h20
Laia – 17h00

Coreto do Optimus Alive
17h45 e 18h55 – Lindy Hop (aulas abertas de charleston e swing out com demonstração a pares e DJ)
20h00, 21h10 e 22h30 – The Soaked Lamb (concertos)
00h00 – Thee Chargers + Cais Sodré Cabaret! (concerto + atuação – apresentação do Cais Sodré Cabaret)
01h20 e 02h50 – Thee Chargers + Cais Sodré Cabaret! (concertos + atuações).

Fotos: MyWay

Categorias
DestaquesMúsica

Media student, workaholic, tv-radio-web addicted, fashion victim, music lover. A life enjoyer.

Comentários