Cinema

«Keep The Lights On» é o grande vencedor do Queer Lisboa – conheça a lista completa

Ocorreu no último Sábado no cinema São Jorge a cerimónia de encerramento do 16º Queer Lisboa. O juri deliberou relativamente às várias categorias em jogo e os votos dos espectadores foram contabilizados para as categorias do público.

Para a Competição para a Melhor Longa-Metragem, o juri composto por João Federici e João Rui Guerra da Mata, deliberou:

O Prémio para a Melhor Longa-Metragem foi atribuído ao filme americano «Keep the Lights On», do realizador Ira Sachs. Segundo o Júri:

“Porque é possível olhar para o real sem tropeçar na facilidade do realismo social, Keep the Lights On usa o cuidado de uma direcção de fotografia clássica e uma banda sonora que não é mero papel de parede para nos conduzir ao espaço de uma vida a dois, respirando verdade mas, ao mesmo tempo, uma ideia de construção de som e de imagem. E isso é cinema.”

Foi ainda atribuída uma Menção Honrosa ao filme Beauty, realizado por Oliver Hermanus, pelo seu “argumento poderoso, sendo que não é preciso mergulhar na África do Sul profunda para encontrar histórias de desejo e culpa. Temo-las aqui mais perto, certamente.” Uma segunda Menção Honrosa foi atribuída a «She Monkeys», realizado por Lisa Aschan, “pela invulgar força de uma primeira obra e um olhar que sugere um ponto de vista de autor.”

O Prémio de Menção para o Melhor Actor foi ex-aequo para Thure Lindhart, em «Keep the Lights On», de Ira Sachs e para Deon Lotz, pela sua personagem François, em «Beauty», de Oliver Hermanus. Segundo o Júri:  “Pelos seus retratos distintos, mas partilhando em comum a capacidade em vestir serenamente a pele de figuras extremas.”

O Prémio de Menção para a Melhor Actriz foi atribuído ex-aequo para Claudia Ohana e Vanessa Giácomo,  no filme «A Novela das 8», de Odilon Rocha. Segundo o Júri: “Pela forma como juntam num par a força de dois opostos e celebram em cinema a alma de uma expressão da cultura popular do Brasil: a novela.”

O Júri da Competição para o Melhor Documentário, composto por João Pedro Vale, Travis Jeppesen e Leonor Noivo, atribuiu o Prémio de Melhor Documentário ao filme «Jaurès», de Vincent Dieutre. Segundo o Júri:

“Um filme que de forma eficaz demonstra como o plano pessoal também pode ser político, ao mesmo tempo que a sua construção formal exponencia as possibilidades do próprio género documental.”

«Olhe Pra Mim de Novo», de Claudia Priscila e Kiko Goifman, conquistou uma menção especial que, segundo o Júri “merece um segundo olhar pela sua corajosa, desafiante e complexa exploração do confronto e ultrapassar de diferenças.”

O Júri da Competição para a Melhor Curta-Metragem, composto por Paul Macgregor, Vítor d’Andrade e Isilda Sanches, atribuiu o Prémio de Melhor Curta-Metragem Internacional ao filme «Along the Road», realizado por Anette Gunnarsson e Jerry Carlsson. Segundo o Júri, uma “perspicaz impressão da solidão num só take”.

O Prémio Pixel Bunker de Melhor Curta-Metragem Nacional foi atribuído ao filme Bankers, realizado por António da Silva. Segundo o Júri, a curta foi merecedora deste prémio “pela sua afirmação sexual e também política da promiscuidade do sistema financeiro.”

Para o Prémio do Público da Competição para a Melhor Longa-Metragem, o público do Queer Lisboa 16 escolheu o filme «A Novela das 8», de Odilon Rocha. O Prémio do Público da Competição para o Melhor Documentário foi atribuído a «Vito», de Jeffrey Schwarz, sobre o ativista Vito Russo. O Prémio do Público da Competição para a Melhor Curta-Metragem foi atribuído a «Ce N’Est Pas un Film de Cow-boys» de Benjamin Parent.

O Queer Lisboa encerra esta edição assinalando a exibição de um total de 91 filmes de 25 diferentes países, e cerca de 7.500 espectadores contabilizados.

Categorias
CinemaDestaques

Estudante de Farmácia, amante das ciências e das artes. Gosto particular por entretenimento em diversas áreas: televisão, cinema, teatro, música.

Comentários