Palcos & Letras

“Afixação Proibida” no Teatro-Estúdio Mário Viegas

Cartaz-Afixacao-Proibida2“Afixação Proibida” é o novo espetáculo em cena no Teatro-Estúdio Mário Viegas e que se define como “uma viagem ao movimento surrealista português” com assinatura da produtora “Entrar em Palco”.

A peça tem como ponto de partida textos de grandes autores portugueses e surgiu de uma encomenda do FAMAFEST – Festival Internacional de Cinema e Vídeo de Famalicão “Cinema e Literatura” em Vila Nova de Famalicão.

Frederico Corado é o responsável pela encenação e criação do espaço cénico. A Nuno Bernardo, Patrícia Adão Marques, Peter Michael e Susana Sá cabe o papel de dar o corpo e voz, com irreverência e juventude, às palavras de alguns dos mais inspirados e contestatários autores da literatura nacional.

Mário Cesariny, Eurico Gonçalves, Artur do Cruzeiro Seixas, Carlos Eurico da Costa, António Dacosta, Mário Henrique Leiria, Fernando Lemos, Pedro Oom, Marcelino Vespeira, Alexandre O’Neil e António Maria Lisboa são alguns dos autores que são referidos no decorrer do espetáculo e que povoam o imaginário surrealista português.

“Afixação Probida”, estará em cena no Teatro-Estúdio Mário Viegas durante o mês de Dezembro às segundas-feiras às 21h00 e aos domingos às 19h45, e em Janeiro às quintas-feiras às 21h00 e aos domingos às 19h45.

Fique com um excerto de texto de Maria Eduarda Colares, para o espetáculo:

“Havia as horas do café. Normalmente tardias. Ou talvez não. As conversas do café. O ar saturado do café. Era Lisboa e a esperança pairava como um pássaro muito cansado. As cadeiras do café. Os tampos de mármore rachado. O cheiro do café. O cheiro do café, não. O cheiro era da serradura molhada, no chão para onde pingavam os chapéus-de-chuva pretos e o tédio da espera. O chão onde se amarrotavam em protesto maços de definitivos porque nada é definitivo. Eles fumavam provisórios.”

Categorias
Palcos & Letras

Estudante de Farmácia, amante das ciências e das artes. Gosto particular por entretenimento em diversas áreas: televisão, cinema, teatro, música.

Comentários