Cinema

Filomena: Judi Dench irrepreensível num filme muito equilibrado

Judi Dench regressa ao grande ecrã com mais um memorável papel que já lhe valeu uma nomeação para os Óscares.

A veterana atriz interpreta Filomena, mãe de uma criança roubada a si há quase cinquenta anos. Filomena vive amargurada com a verdade que oculta da família julgando que se trata da penitência que deve cumprir pelos pecados da adolescência. No dia em que o seu filho perdido faria cinquenta anos a atriz decide revelar a verdade e a intenção de o procurar.

Na procura a senhora ganha um forte aliado: Martin Sixsmith, ex-jornalista da BBC, que inicialmente não demonstra vontade de seguir uma via de interesse humanístico mas acaba por ceder aos interesses editoriais e até mesmo pessoais pela história. A procura demonstra-se árdua e guia ambos até à América em busca do paradeiro da criança desconhecida.

Judi Dench mostra-se como sempre irrepreensível no papel. Uma encantadora senhora de mais de oitenta anos que vive entre a verdade e a culpa e que consegue prender a audiência desde o primeiro minuto. É uma prestação que tem tanto de tocante quanto de equilibrada. A atriz consegue flutuar de forma exímia entre bons momentos de comédia e momentos mais dramáticos.

Equilíbrio é mesmo a palavra chave da película. Consegue transmitir-nos um conjunto de emoções que a tornam desde tocante a cómica. A realização está inteligente, a direção de atores bem arquitectada e o casting perfeito. Não cede a exageros que um drama desta dimensão poderia proporcionar e não segue clichês.

No fim fica uma sensação de que este é um filme que vale a pena. Fica o conselho, não perca Filomena. Assista aqui ao trailer:

Categorias
Cinema

Estudante de Farmácia, amante das ciências e das artes. Gosto particular por entretenimento em diversas áreas: televisão, cinema, teatro, música.

Comentários