Estado da TV

Estado da TV # 9

Seja bem-vindo ao regresso da minha crónica de opinião semanal no Propagandista Social!

Tardes “em movimento”

Costuma-se dizer que o bom filho a casa torna e isto mesmo se aplica a João Baião, o homem que por estas semanas tem sido o protagonista da mais badalada transferência televisiva desde a saída de Júlia Pinheiro da TVI.

Baião não teve a sua estreia televisiva na SIC, mas foi na estação de Balsemão que atingiu o auge da popularidade quando se tornou o rosto da “televisão em movimento”, uma tendência televisiva materializada no mal-afamado Big Show SIC apadrinhado por Ediberto Lima (que por estes dias tenta implementar o mesmo modelo em terras angolanas). A mudança para a RTP (e a passagem dos anos, diga-se) fê-lo passar dos pulos e da animação efusiva para um registo mais contido e mais sério, sem nunca perder, no entanto, a alegria genuína responsável pela ligação que mantém com os telespectadores.

Baião tornou-se um apresentador de daytime ao nível de Goucha, Júlia e Fátima, e foi isso que o tornou um alvo apetecível para a SIC que tem desde há uns anos um talk-show vespertino que é um autêntico fosso de audiências comandado por uma apresentadora que (sem lhe tirar o mérito como jornalista) nunca conseguiu conquistar a empatia dos telespectadores daquele horário.

A mudança já vem tarde, mas Baião é a aposta certa e segura para as tardes da SIC que poderão conquistar lentamente aquele público que não se revê no estilo mais maternal e emotivo de Fátima Lopes e que procura um registo mais alegre e descontraído, ainda que os conteúdos dos dois programas, sejam, como já se prevê, os mesmos.

A revolução (de conteúdos) pode estar do lado é da RTP onde a ida de Herman José para as tardes pode trazer alguma inovação e criatividade ao daytime da televisão em Portugal caso haja atrevimento e coragem para romper com o modelo dos talk-shows diurnos. Seria um bom primeiro passo para ressuscitar a televisão generalista.

Até para a semana!
Filipe Vultos

Categorias
Estado da TVRubricas

Farmacêutico de formação, químico de profissão, com interesse no mundo do audiovisual e da televisão em particular. Tenho uma visão crítica e analítica sobre a televisão em Portugal estando especialmente atento às estratégias de programação e de promoção.

Comentários