Filipe Gonçalves fala sobre Festival da Canção: "é aquela música que vai ficar na cabeça das pessoas"
Festival da Canção

Filipe Gonçalves fala sobre Festival da Canção: “é aquela música que vai ficar na cabeça das pessoas”

Filipe Gonçalves é um dos intérpretes da segunda semi-final do Festival da Canção. O cantor vai defender o tema “Dança Joana”.

A canção tem letra e música de Héber Marques. Filipe Gonçalves estreou-se em televisão com «Operação Triunfo» no ano de 2013 onde conquistou o segundo lugar da competição.

O cantor esteve à conversa com o nosso site sobre o seu tema e a participação no Festival da Canção 2015. Veja e leia aqui a entrevista:

Como é que surgiu este convite para participar?

O convite surgiu como intérprete mais uma vez mas disseram-me que ia ser um formato diferente, que eu nos outros declinei por motivos profissionais também. Disseram-me que ia valer a pena. Depois também o número 50 me chamou muito a atenção, o facto de ser o quinquagésimo festival e ei já ter feito parte dos 50 anos da RTP e também ter sido criado numa escola que a RTP lançou cá em Portugal, foi a «Operação Triunfo», acho que faria todo o sentido participar e chegar a um “Dança Joana”. A história foi engraçada porque eu vinha concorrer enquanto compositor, ou autor da letra ou autor da canção e, estou a trabalhar com o Héber Marques no meu disco e de repente chego a casa dele para lhe contar esta novidade e ele tinha também uma novidade para me contar que era “olha, tenho esta música gostava que fosses tu a cantar” e eu só tive tempo de abrir o meu laptop e mandar um mail à Carla a dizer “eu vou como intérprete”. Lanço a minha música para o ano, guardo a minha música que eu queria para o Festival para o ano, que eu este ano venho como intérprete porque a música que ele fez também espelha muito aquilo que eu queria transmitir para um Festival, caso participasse. Então acho que o “Dança Joana” é aquela música que vai ficar na cabeça das pessoas, é só o que eu vos estou a avisar.

O que é que podemos esperar desta canção. E quem é a Joana?

A Joana no fundo é aquela mulher que nos paralisa, que nos deixa a boca seca, que nos faz gaguejar, que nos deixa paralisados. É essa, o nome Joana é o nome mais cantabili, acho que é o nome mais cantável que nós escolhemos dos que nós tínhamos proposto. No nosso caso temos sempre Joanas na nossa vida que nos marcaram muito. Eu posso dizer que uma das Joanas, isto mal comparado, mas a grande Joana da minha vida, para além da minha priminha do meu coração, foi a minha burra que durante 26 anos vivei ao meu lado e que marcou minha vida e que este ano partiu infelizmente e que era um animal maravilhoso que entrou nos 50 anos da RTP, entrou na MTV, entrou nos canais todos. Foi alvo de tempo de antena no Best Of dos 50 anos da RTP e portanto é a minha Joana e que foi a minha prima que quis que ela se chamasse Joana. Joana é um nome que representa cada um tem uma Joana, no caso das meninas podia ser um João, como também pode ser uma Joana na mesma e pode ter outro nome mas a Jona vai representa a pessoa que nos deixa sem fôlego.

Achas que este tema pode fazer sucesso na Áustria ou ainda não pensaste nisso?

Não, eu não penso em nenhum tema que faço. Espero que tenha sucesso e espero que transmita energia. Eu já tenho composto temas em português e posso dizer que estou tão contente, tão contente porque foneticamente eu gosto sempre de ver quais são os países onde a fonética é parecida. Tive que há pouco tempo pedir a um tradutor para traduzir o meu disco anterior para russo, porque tenho alguns fãs na Rússia que adoraram o soul e o funk misturado. Eles dizem sempre que nós temos uma mistura, o português tem uma mistura diferente. Portanto nós podemos sempre levar o género musical que queiramos para o mundo fora que temos sempre a nossa marca bem vincada. Então acho que basta ir, estou super confiante. É uma música animada, é um bocado à minha imagem e espero que as pessoas cantem comigo. Ou seja quando eu acabar as pessoas fiquem com aquela energia. Que fique na cabeça e que sempre que ouvirem a música que passe a boa energia.

Ficas mais nervoso com a votação do público ou dos compositores que é uma novidade deste ano?

Fico nervoso com o facto da minha música estar a ser avaliada do que quem é que gosta mais de uma ou de outra. Só isso, porque isso é seleção natural da vida obviamente. Há músicas que as pessoas gostam mais, há músicas que as pessoas gostam menos. Há músicas com as quais eu não me identifico nada mas percebo que sejam um fenómeno e há outras que eu gosto imenso que ninguém gosta. Portanto isto depende muito do gosto das pessoas, vai ser um bocadinho exposto e isso deixa-me nervoso porque é sempre difícil estarmos a ser avaliados já dessa maneira. Mas com este leque de compositores, de intérpretes, não haverá demérito para nenhum participante neste Festival.

Qual é a tua posição em relação ao sistema de votação em que os compositores também participam?

Eu acho que é um voto de confiança e vai um bocadinho ao encontro daquilo que eu também defendo, ou seja nos estamos aqui no fundo pela música e para passar uma mensagem para o consumidor final, para o público. Mas nós também somos público, e nós enquanto músicos também temos de ter discernimento para avaliar o próximo sem inveja. Eu lembro-me de dizerem isto, eu estou a ter o privilégio de trabalhar com uma das minhas vozes preferidas, no meu disco. E ele é um dos mais críticos do meu disco e eu também sou um dos mais críticos do disco dele mas ao mesmo tempo estamos a trabalhar um com o outro. Mas o mercado há uns anos atrás dizia “isso é impossível trabalharem um com o outro que vocês são concorrentes”. Não não somos, nós somos colegas de profissão. Agora, pode ser concorrência para o mercado, mas para nós não é, e há espaço para os dois. Isto só vai elevar um bocidnho a fasquia a nível qualitativo, o facto dos compositores puderem votar nos outros, e também vai mexer com gostos pessoais.

Categorias
Festival da CançãoTelevisão

Estudante de Farmácia, amante das ciências e das artes. Gosto particular por entretenimento em diversas áreas: televisão, cinema, teatro, música.

Comentários