Televisão

A Única Mulher: resumo de 29 de Junho a 4 de Julho

Episódio 96

Mara chega ao hospital com Raul para saber se há alguma novidade. Neuza reage à presença dele e Mara admite a Raul que ela disse coisas terríveis sobre ele. De repente, ela sente a cabeça a andar à roda.

Bino sugere a Isaurinha que fujam para evitar cumprir a missão que Raul lhe impôs. Ele não vê outra solução e garante que têm de contar a verdade a Patrícia.

Raul socorre Mara que não se sente bem e propõe levá-la de volta ao hotel. Neuza não se contém, diz para ele a deixar em paz e atira-se a ele. Arsénio tenta levar Neuza para fora dali, mas ela está disposta a contar tudo. Entretanto, ouvem-se alarmes de alerta vindos do quarto de Norberto. Mara corre para lá. O aparelho que monitoriza os sinais vitais de Norberto mostra que ele está morto. Mara gela e perde os sentidos.

Berta critica Pilar por deixar Sílvia arcar com as culpas de ter denegrido a imagem do marido nos jornais. Esta acha que ela tem o que merece, depois de ter exposto as filhas na imprensa.

A inspetora Laura informa Pilar de que Norberto Venâncio faleceu no hospital e pede para falar com Jorge.

O inspetor Camacho entra no Estúdio 7, dá os sentimentos a Luena pela morte de Norberto e mede as reações dela, que fica chocada com a notícia. Quando ela se afasta, Ana Maria diz a Camacho que ela rogava pragas todos os dias a Norberto, desde que ele lhe tirou o filho.

Jorge revela a Henrique que foi Sílvia quem o vendeu aos jornais, por vingança, mostrando-se disposto a fazer justiça pelas próprias mãos, já que não a pode processar por difamação.

Luena dança como se não houvesse amanhã. Rafaela aconselha-a a não se sentir culpada dado que tentou avisar Norberto do que ia suceder. Luena recorda os tempos difíceis da mãe e garante à amiga que está feliz por recuperar Júnior e herdar a fortuna de Norberto.

Yolanda está arrasada com a morte de Norberto. Ela acusa Daniela de estar com Norberto por dinheiro e ameaça-a, mas é arrastada dali por Kizua. Daniela tenta defender-se, revoltada.

Neuza acusa Raul de ter morto Américo e Norberto. Este diz-lhe que se ela abre a boca, corre risco de vida.

Raul aparece em casa de Bino e explica que Norberto não acordou do coma. Ele está convencido que Jorge será acusado dos crimes e promete que nada acontecerá a Patrícia se Bino se mantiver de bico calado.

Yolanda admite a Kizua que gostava de Norberto e vai ter muitas saudades dele. Luena aparece, determinada a levar Júnior consigo.

Jorge é interrogado por Camacho, na presença de Henrique. Ele admite que foi ao hotel falar com Norberto, convencido que este tinha orquestrado uma campanha de difamação contra si na imprensa, mas que, quando chegou, o encontrou no chão baleado.

Yolanda explica a Luena que não pode entregar-lhe o filho sem mais nem menos e que Júnior não deve saber dessa forma que o pai morreu. Luena exige o filho dela de volta. Mara chega entretanto e estaca ao ver Luena.

Interrogado por Camacho, Luís Miguel conta que foi ao hotel de Norberto, porque estava preocupado com o pai, depois da discussão entre os dois na construtora. O inspetor quer saber mais sobre a relação dele com o angolano, fazendo-lhe ver que ele também é suspeito.

Mara acusa Luena de nem deixar o corpo de Norberto arrefecer para ir buscar o filho e reclamar a herança. Esta garante que não vai abdicar dos seus direitos e que Júnior é o único filho legítimo do angolano. Mara dá-lhe um bofetão. Artur intervém e argumenta que Mara, como filha adotiva, também é herdeira. As duas trocam acusações, mas Júnior aparece entretanto e corre na direção da mãe, que o abraça, chorando lágrimas de emoção.

Isaurinha exige ao marido que vá à polícia contar tudo o que sabe sobre Raul. Este receia que Raul lhe mate a família e acha que o melhor é manter o silêncio.

Raul assegura a Luena que, quando Mara perceber que não é pai dela, será tarde demais. Ela fica surpreendida ao descobrir que Mara está grávida de Luís Miguel, mas não quer que ele saiba.

Mara explica a Raul que os pais de Luena eram donos de uma grande fazenda de café, mas perderam tudo depois da independência de Angola. Ela não consegue aceitar que Luena tenha conseguido o que queria e decide aconselhar-se junto do irmão de Norberto, Ângelo. Raul sai do hotel, nada descansado com o que acabou de ouvir.

Laura revela a Camacho que já se sabe quem é o destinatário da transferência que Norberto fez antes de morrer. E que este só pode ser o assassino. Ela prepara-se para dizer quem é, quando Raul entra na hamburgueria.

Episódio 97

A transferência foi feita para um offshore nas Ilhas Cook. Camacho admite que vai demorar algum tempo a descobrir de quem é a conta. Raul ouve a conversa, enquanto finge ler o jornal. Laura acha que as provas apontam para Jorge que se sentiu vigarizado por Norberto, por este ter ficado com a empresa. Camacho defende que essa teoria não explica a morte de Américo.

Luís Miguel está preocupado por a polícia suspeitar do pai e dele. Luena garante que ele não vai ser preso e envolve-o num beijo sensual.

A pedido de Diogo, Sara vai à prisão visitá-lo. Ele conta-lhe que pediu desculpa a Santiago por o ter tentado incriminar, reclama e sua inocência e pede-lhe que traga Francisca, porque ela não vai ter coragem de admitir na cara dele que ele é o violador. Sara rejeita e vira costas, deixando-o desesperado.

Santiago conta a Orlando que visitou Diogo na cadeia, mas o amigo recomenda-lhe que confie na justiça. Ele garante que Diogo até pode escapar à cadeia, mas não da vingança dele.

Francisca regressa ao Estúdio 7 para retomar as aulas de dança e reencontra Ana Maria. É a primeira vez que se vêm depois do que aconteceu. Ela finge-se de vítima, mas Francisca agarra-a e diz-lhe para acabar com o teatro. Ana Maria provoca-a, comentando o novo corte de cabelo dela e acabam a puxar os cabelos uma à outra. Clara separa-as e vai-se embora com Francisca.

Francisca prepara-se para uma aula de dança e sente-se insegura com o seu novo corte de cabelo ao espelho, mas Clara consegue animá-la.

Santiago agradece a Rafaela por lhe ter dado emprego. Esta admite, no entanto, que Ana Maria continua a trabalhar no Estúdio 7, porque Luena teve pena dela. Francisca vem a sair da zona dos cacifos quando o seu olhar se cruza com o de Santiago.

Isaurinha confronta Raul, exigindo que ele deixa a família em paz. Ele aconselha-a a manter a boca fechada.

Francisca pede desculpa a Santiago, mas ele acha que ele é que tem culpa por a ter abandonado e partido para o Brasil. Ela garante que já não está zangada com ele e Santiago aproxima-se para lhe tocar, mas ela assume imediatamente uma posição defensiva. Ele desculpa-se e ela vai-se embora atormentada.

Pilar encontra-se com o inspetor Camacho e insiste que Jorge é inocente, mas acaba por comentar que ele comprou uma arma. Quando ela se vai embora, Camacho comenta com Laura que não percebeu se ela é burra ou estava a tentar enterrar o marido.

Artur informa Luís Miguel que, logo que libertem o corpo de Norberto, vai com Mara para Luanda e não sabe quando regressa. Ele diz-lhe que acredita na inocência dele, mas não põe as mãos no fogo por Jorge e acha que ele corre o risco de ser acusado de cumplicidade. Luís Miguel fica furioso com a insinuação dele e empurra-o, dizendo-lhe para voltar para Angola.

Raul visita Mara e leva-lhe um presente para o bebé. Ele tenta saber mais sobre a investigação e ela admite que Jorge é suspeito, mas há pormenores que não batem certo, como a morte de Américo ou o facto de a arma não ter sido encontrada. Ele finge-se preocupado com ela.

Laura desconfia que Américo foi morto por Jorge ou Luís Miguel por ter sido testemunha do crime, mas Camacho faz-lhe ver que a teoria dela não faz sentido, porque Artur estava com Norberto antes de Américo subir para o ver.

Jorge comenta com a esposa que marcou um encontro com Santiago, porque ele está novamente em Lisboa. Pilar quer que ele se mantenha longe da filha.

Concha exige a Orlando que lhe conte o que Henrique veio tratar com ele. Este recorda a discussão que teve com o ex-marido dela, em que ambos admitiram que estavam interessados em Concha e iam lutar para a conquistar. Ele mente, dizendo que Henrique o ameaçou e ofereceu-se para falar com o reitor da universidade e devolver-lhe o emprego se ele saísse lá de casa. Ela fica indignada por o ex-marido descer tão baixo.

Santiago encontra-se com Pilar e Jorge e garante que não voltou a Portugal por causa de Francisca. Pilar não acredita e acusa-o de se tentar aproveitar do estado de fragilidade da filha. Jorge oferece-lhe dinheiro para desaparecer da vida da filha, mas ele fica indignado e garante que agora que perdeu tudo, a única coisa que deseja é justiça. E sai porta fora.

Neuza insiste com Arsénio para denunciarem Raul à polícia, porque Mara corre perigo de vida. Ela pensa que o plano dele é legalizar-se como pai de Mara para ser herdeiro da fortuna e depois matá-la. Arsénio diz-lhe que é cedo demais e exige que ela confie nele.

Luís Miguel vai ao hotel de Mara para falar com ela sobre as suspeitas que recaem sobre o pai dele. Ele estranha o urso de peluche e ela fica gelada, sem saber o que responder.

Episódio 98

Mara mente, dizendo que o urso é de Júnior. Ele diz-lhe que o pai seria incapaz de matar alguém e pede-lhe para não alimentar as suspeitas da polícia. Ela insinua que ele conspirou com o pai e Luena contra Norberto. Luís Miguel força-a a recordar o que viveram juntos, mas ela garante que já o esqueceu. Ele vai-se embora, magoado, ela deixa cair as lágrimas.

Arsénio avisa Luena de que o corpo de Norberto será libertado na manhã seguinte. Ele acusa-a de ter morto o patrão dele. Ela admite que desejou a morte dele, mas não é uma assassina.

Bino crítica a esposa por ter afrontado Raúl. Ela diz que lhe falou de uma carta que será enviada à polícia se alguma coisa acontecer à família dela. Bino gosta da ideia.

Isaurinha caminha para o minimercado, quando uma carrinha para e alguém lhe aponta uma arma, forçando-a a entrar no veículo. Mitó avista-a ao longe, sem perceber o que se passa.

Mitó comenta com Isabel que viu Isaurinha com um homem e lhe pareceu estranho, dizendo que ela deve ter arranjado um amante.

Entretanto, Bino estranha a demora da esposa e decide ir a casa de Isabel perguntar se ela sabe da esposa. No caminho para lá, ele encontra o telemóvel de Isaurinha caído no chão. Volta a casa muito aflito e diz à filha que algo aconteceu à mãe dela.

Luena faz as malas para partir para Luanda para a leitura do testamento. Enquanto isso, Júnior está a ver televisão e passam notícias sobre a morte de Norberto. Luena gela ao perceber o que se passa. Rafaela desliga a televisão imediatamente e Luena explica ao filho que o pai dele morreu, confortando o menino.

Laura mostra a Camacho o mandado que acabou de conseguir, mas este diz que tem de ir ao funeral de Norberto apresentar as condolências à família. Bino aborda Camacho, dizendo-lhe que a esposa dele desapareceu e foi o assassino de Norberto que a levou.

Bino conta tudo o que sabe a Camacho, garantindo-lhe que Raul matou Norberto e Américo e raptou a esposa. O inspetor diz que vai ver o que pode fazer.

O carro funerário que transporta o caixão de Norberto, Mara e Raul, Yolanda e Artur, chega ao aeródromo, onde aguardam Arsénio, Neuza e Kizua. O caixão é transportado para o jacto e Mara apoia-se em Raul na sua dor, perante a raiva de Neuza. Luena chega entretanto e a dor de Mara transforma-se em ressentimento.

Mara e Luena enfrentam-se. Esta está decidida a ir com eles para o enterro de Norberto. Mara acusa-a de só estar interessada na leitura do testamento. Raul sai em defesa de Mara, mas convence-a a não discutir com Luena. O inspetor Camacho chega e pede para falar com Raul. O inspetor questiona-o sobre o seu paradeiro na noite anterior e este diz-lhe que foi visitar a viúva de Américo. Camacho garante que ele não é suspeito de nada e Raul avança para o jato, que levanta voo pouco depois.

Santiago desabafa com Rafaela a sua indignação por os Sacramento lhe terem oferecido dinheiro para se ir embora do país. Ela pergunta-lhe se ele pretende reaproximar-se de Francisca, mas a conversa é interrompida por Ana Maria.

Bino vai ao Estúdio 7 e conta a Rafaela que a esposa dele desapareceu e precisa de ter a morada de Raul Falcão. Ela comenta que este foi para Angola com Mara.

Patrícia desabafa com os amigos a sua angústia com o desaparecimento da mãe, garantindo que estava tudo bem entre os pais. Ela e os amigos interrogam as pessoas da vizinhança sobre o paradeiro da mãe dela e colam cartazes a pedir informações.

Mitó queixa-se de Henrique não ir com ela a Nova Iorque e ele oferece-se para pagar a viagem a uma amiga dela. Ela acha que ele a quer ver longe e ele fica indignado com a suspeita. Henrique fica alarmado ao saber, por Pilar, que a polícia está em casa dos Sacramento com um mandado de busca.

Em casa dos Sacramento, a inspetora Laura e dois agentes fazem buscas no jardim. Pilar desdramatiza, mas Luís Miguel tenta animar o pai. Berta acha que Pilar pode ter algo a ver com o mandado de busca. Ela admite que sim, mas porque queria desviar as suspeitas do filho.

Sara pergunta a Mafalda se Sílvia lhe contou alguma coisa sobre o envolvimento de Diogo no assalto à joalharia. Esta admite que a amiga encontrou um telemóvel que o ligava ao crime. Sara sai perturbada com a possibilidade de, para além de violador, o ex-noivo seja um ladrão.

Laura aparece com a arma usada para matar Norberto dentro de um saco, encontrada no jardim de casa dos Sacramento. Jorge é algemado e constituído arguido. Luís Miguel e Concha saem imediatamente em defesa de Jorge, ma Henrique aconselha-o a não resistir. Ele sai com os agentes reclamando a sua inocência.

Camacho explica a Bino que Raul tem um alibi para a noite do desaparecimento de Isaurinha e pergunta-lhe se ele se dava bem com a esposa, insinuando que ela pode ter fugido.

Em casa dos Venâncio, Mara não quer deixar Luena entrar, mas esta insiste que aquela também é a casa dela. Mara puxa-a e Luena dá-lhe um safanão. Ela cai para trás, batendo com a cabeça e perdendo os sentidos.

Episódio 99

Em choque, Luena debruça-se sobre Mara que não dá sinal de vida.

Mais tarde, Mara é examinada por um médico que lhe exige repouso. Ângelo, irmão de Norberto, promete tomar contar dela e pede a Yolanda, Artur, Arsénio e Luena para irem para casa. Todos se despedem, mas Luena insiste em ficar e sobe para o quarto de hóspedes.

Mara insiste em ir ao funeral do pai, mas Ângelo aconselha-a a manter-se em repouso absoluto por causa do bebé. Ela emociona-se por não se poder despedir do pai. Após o funeral, Mara conta ao tio que nunca disse ao pai que estava grávida e que ainda não decidiu se vai casar com Artur.

Luena diz a Rafaela para ter cuidado com Júnior, porque não confia no irmão de Norberto. Mais tarde, ela explica a Raul que vai ficar em Luanda até à abertura do testamento. Ele pretende convencer Mara a desistir da parte dela, mas Luena insiste que ele não lhe faça mal, arrancando-lhe uma promessa em memória de Lurdes. Raul anui, mas mostra-se pouco inclinado a cumprir.

Henrique explica à família Sacramento que Jorge ficou na prisão e que só dentro de dois dias será ouvido perante um juiz. Pilar acha que o marido não vai aguentar a humilhação.

Berta acusa Pilar de ser falsa e ter plantado a arma no jardim para incriminar Jorge. Esta chama-lhe senil e recorda que ela teria de conhecer o assassino para ter a arma do crime. Berta fica desconfiada e ameaça-a, mas Pilar diz-lhe para ela ficar calada.

Pilar visita Jorge na cadeia e reconhece que a arma encontrada no jardim foi confirmada como sendo a do crime. Jorge fica desesperado, mas emociona-se por a esposa estar do lado dele.

Sara revolve armários e gavetas em casa de Diogo à procura do telemóvel dos assaltantes da joalharia. Ela encontra um telemóvel numa caixa e vai a casa dos Caiado questionar Sílvia, que confirma tratar-se do telemóvel dos assaltantes.

Na sua cela, Diogo recorda tempos mais felizes com Sara e fica revoltado com a realidade que o rodeia. Ele fica esperançado ao receber uma visita de Sara, mas ela confronta-o com o telemóvel e garante que o vai entregar à polícia. Ele tenta recordá-la do que passaram juntos, mas ela garante que dava tudo para se livrar dele de uma vez por todas.

Entretanto, na prisão, os guardas encontram alguém enforcado.

Mais tarde, Camacho informa a família Sacramento de que Diogo se enforcou na cadeia. Luís Miguel abraça Sara, enquanto Francisca esconde a cara no colo de Berta. Diogo não morreu, mas Henrique explica que o diagnóstico dele é muito reservado. Pilar acha que a morte de Diogo será um bem para a humanidade e que a prioridade é tirar o marido da cadeia. Sara recorda como desejou a morte do ex-noivo à frente dele.

Sara desabafa com Mafalda que desejou a morte dele, mas recorda como a irmã foi violada ainda virgem e diz à amiga, a chorar, que a morte de Diogo será um alívio e um recomeço.

Berta tenta confortar Francisca que está atormentada por Diogo se ter tentado enforcar. Ela confessa que só queria que a sua vida voltasse ao normal e abraça-se a Berta a chorar.

Santiago sabe por Rafaela do que se passou e fica preocupado com a ex-namorada. Ele admite que ama Francisca desde o primeiro dia em que a viu e quer estar com ela. Rafaela aconselha-o a dizer-lhe isso. Ele vai a casa dos Sacramento e pede para falar com Francisca. Pilar recorda que estão dispostos a indemnizá-lo pelos prejuízos que ele sofreu, mas não o quer deixar ver a filha. No entanto, Santiago promete não ir embora sem falar com ela. Pilar acaba por ceder a deixá-lo falar com Francisca, desde que ela esteja presente.

Berta entra no quarto de Francisca, mas encontra a cama vazia e a janela aberta. Desnorteada, ela leva às mãos à cabeça.

Mafalda comenta com Rafaela que se inscreveu num workshop de cozinha para que Pedro se possa sentir em casa, porque sente que a sua vida é vazia sem ele.

Pedro admite a Luís Miguel que a separação dele ainda é muito recente e não pretende levar a sua relação com Mafalda para outro nível, apesar de pressentir que é isso que ela quer.

Ana Maria revela à mãe que Jorge foi preso por ter matado o angolano. Isabel fica em choque.

Chegado a Luanda, Raul telefona a alguém e pergunta pela entrega da carta e por uma mulher.

Em Lisboa, Patrícia recebe uma carta com o seu nome, mas sem remetente. Bino reconhece a letra de Isaurinha. A filha lê a carta, onde a mãe diz que o pai dela fez algo terrível que a levou a ir-se embora. Patrícia questiona o pai, mas Bino garante que não fez nada. Ela não acredita e fecha-se no quarto. Mais tarde, Bino tenta fazer sentido da carta e argumenta à filha que a mãe dela foi raptada e forçada a escrever a carta. No entanto, Patrícia está convencida que ele está a inventar histórias para sacudir a culpa.

Bino insiste com os inspetores que Isaurinha foi raptada por Raul e ele não fez nada, apesar do que diz a carta da mulher. Camacho aconselha-o a encarar a realidade: a mulher dele fugiu de casa, insinuando que deve haver outro homem na vida dela. Revoltado, Bino liga a Raul e deixa-lhe uma mensagem de ameaça no voice-mail.

Episódio 100

Jorge comenta com a esposa que marcou um encontro com Santiago, porque ele está novamente em Lisboa. Pilar espera que ele se mantenha longe da filha.

Santiago espera Jorge em casa de Concha, muito nervoso. Concha aparece e exige a Orlando que lhe conte o que Henrique veio tratar com ele. Este recorda a discussão que teve com o ex-marido dela, em que ambos admitiram que estavam interessados em Concha e iam lutar para a conquistar. Ele volta ao presente e mente a Concha, dizendo que Henrique o ameaçou e ofereceu-se para falar com o reitor da universidade e devolver-lhe o emprego se ele saísse lá de casa. Ela fica indignada por o ex-marido descer tão baixo. Jorge e Pilar aparecem para falar com Santiago.

Mitó pede para ver os dedos de Henrique e fica desapontada, mas disfarça. Ele diz-lhe que ela não deve desmarcar a viagem para Nova Iorque, apesar de ele não poder ir por causa do caso de Jorge. Ela promete pensar no assunto, ele fica a fazer planos.

Mitó não sabe o que fazer e marca um encontro com Isabel para desabafar o seu dilema.

Santiago garante a Pilar que não voltou a Portugal por causa de Francisca e se encontraram por acaso. Ela não acredita e acusa-o de ter regressado para se aproveitar do estado de fragilidade da filha. Ele acha que preconceito deles contribuir para o que aconteceu a Francisca. Jorge oferece-lhe dinheiro para desaparecer da vida da filha, mas ele fica indignado e garante que agora que perdeu tudo, a única coisa que deseja é justiça. E sai porta fora.

Francisca confessa a Clara que nunca deixou de gostar de Santiago, mas que não se sente capaz de ter uma relação com ninguém depois do que aconteceu. Clara fica constrangida com a atitude da prima.

Orlando corre atrás de Santiago, mas este, revoltado e frustrado, exige ficar sozinho. Francisca caminha no jardim de sua casa e encosta-se a uma árvore numa posição defensiva.

Neuza insiste com Arsénio de que têm de denunciar Raul à polícia, porque Mara corre perigo. Ela acha que ele se vai legalizar como pai de Mara para ser herdeiro da fortuna e depois matá-la. Arsénio diz-lhe que é cedo demais e exige que ela confie nele.

Luís Miguel vai ao hotel de Mara para falar com ela sobre as suspeitas que recaem sobre o pai dele. Ele estranha o urso de peluche e ela fica gelada, sem saber o que responder.

Mara mente, dizendo que o urso é de Júnior. Ele diz-lhe que o pai seria incapaz de matar alguém e pede-lhe para não alimentar as suspeitas da polícia. Ela insinua que ele conspirou com o pai e Luena contra Norberto. Luís Miguel força-a a recordar o que viveram juntos, mas ela garante que já o esqueceu, deixando-o magoado. Ele vai-se embora e ela desaba em lágrimas.

Arsénio avisa Luena de que o corpo de Norberto será libertado na manhã seguinte. Ele acusa-a de ter morto o patrão dele. Ela admite que desejou a morte dele, mas que não é uma assassina e recomenda-lhe que deixe a polícia investigar o crime. Ele anui e acaba por sair.

Bino critica a esposa por ter afrontado Norberto. Ela diz que lhe falou de uma carta que será enviada à polícia se alguma coisa acontecer à família dela. Bino gosta da ideia.

Isaurinha caminha para o minimercado, quando uma carrinha pára e alguém lhe aponta uma arma, forçando-a a entrar no veículo. Mitó avista-a ao longe, sem perceber o que se passa.

Mitó comenta com Isabel que viu Isaurinha com um homem e lhe pareceu estranho.

Bino estranha a demora da esposa. Patrícia chega a casa comentando o clima de receio que se vive na construtora, agora que Norberto morreu.

Durante o jantar, Mitó comenta com Isabel a sua indecisão sobre a ida a Nova Iorque. Ela receia que Henrique lhe seja infiel quando estiver ausente. Bino vai a casa de Isabel perguntar se ela sabe onde a esposa está, porque ainda não voltou.

Patrícia telefona para a mãe, apreensiva. Bino vai a sair de casa de Isabel quando encontra o telemóvel da esposa caído no chão.

Mitó comenta com Isabel que Isaurinha deve ter arranjado um amante, recordando-se do que viu na rua.

Bino volta a casa muito aflito e diz à filha que algo aconteceu a Isaurinha. Mas disfarça quando Patrícia tenta saber mais.

Luís Miguel comenta, revoltado, com Pedro que Mara suspeita do envolvimento dele na morte do pai. Sente-se magoado.

Mara vai no carro funerário com o caixão do pai, ao lado de Artur, Yolanda e Raul. Ela sorri para este, que esboça um sorriso a dar-lhe força.

Luena faz as malas para partir para Luanda para a leitura do testamento.

Júnior está a ver televisão e passam notícias sobre a morte de Norberto. Luena gela ao perceber o que se passa. Rafaela desliga a televisão e Luena explica ao filho que o pai dele morreu.

Pilar e Jorge comentam o funeral de Norberto e ela mostra-se insensível à morte dele. Francisca diz aos pais que vai a casa de Patrícia, mas eles ficam preocupados de que se vá encontrar com Santiago. Pilar está certa que o que ele pretende é dinheiro.

Laura mostra a Camacho o mandado que acabou de conseguir, mas este diz que tem de ir ao funeral de Norberto apresentar as condolências à família. Bino aborda Camacho, dizendo-lhe que a esposa dele desapareceu e foi o assassino de Norberto que a levou.

O carro funerário chega ao aeródromo, onde aguardam Arsénio, Neuza e Kizua. O caixão é transportado para o jato e Mara apoia-se em Raul na sua dor, perante a raiva de Neuza. Luena chega entretanto e a dor de Mara transforma-se em ressentimento.

Bino conta tudo o que sabe a Camacho, garantindo-lhe que Raul matou Norberto e Américo e raptou a esposa. O inspetor diz que vai ver o que pode fazer.

Episódio 101

Mara e Luena enfrentam-se. Esta está decidida a ir com eles para o enterro de Norberto. Mara acusa-a de só estar interessada na leitura do testamento. Raul sai em defesa de Mara, mas convence-a a não discutir com Luena. O inspetor Camacho chega entretanto e pede para falar com Raul.

Patrícia desabafa com os amigos a sua angústia com o desaparecimento da mãe, garantindo que estava tudo bem entre os pais. Eles não sabem o que pensar.

Mitó está convencida que Isaurinha fugiu com um amante. E continua indecisa sobre a sua ida a Nova Iorque.

Camacho questiona Raul sobre o seu paradeiro na noite anterior. O inspetor garante que ele não é suspeito de nada e avança para o jato. Carregada de mágoa, Mara diz a Artur que espera não mais voltar a Lisboa.

Santiago desabafa com Rafaela a sua indignação por os Sacramento lhe terem oferecido dinheiro para se ir embora do país. Ela pergunta-lhe se ele pretende reaproximar-se de Francisca.

Patrícia e os amigos interrogam as pessoas da vizinhança sobre o paradeiro da mãe dela e colam cartazes a pedir informações.

Jorge pede à esposa que tenha cuidado no que decidir fazer para evitar Santiago de se reaproximar de Francisca. Ele tem uma reunião com investidores e ela despede-se dela com carinho e comenta que, agora que o pai morreu, Mara pode estar interessada em desfazer-se da construtora.

Luís Miguel reconhece a Pedro que se Mara quiser vender a empresa, o pai dele pode estar interessado no negócio se não for acusado de homicídio. Ele recebe uma chamada da mãe e fica alarmado.

Mitó queixa-se de Henrique não ir com ele a Nova Iorque e ele oferece-se para pagar a viagem a uma amiga dela. Ela acha que ele a quer ver longe e ele fica indignado com a suspeita. Pilar telefona a Henrique, que fica alarmado ao saber que a polícia está em casa dos Sacramento com um mandado de busca.

Em casa dos Sacramento, a inspetora Laura e dois agentes fazem buscas no jardim. A família Sacramento está reunida na sala, preocupada com a busca da polícia. Pilar desdramatiza, mas Luís Miguel tenta animar o pai.

Berta confronta Pilar, acha que ela pode ter algo a ver com o mandado de busca. Ela admite que sim, mas porque queria desviar as suspeitas do filho.

Sara pergunta a Mafalda se Sílvia lhe contou alguma coisa sobre o envolvimento de Diogo no assalto à joalharia. Esta admite que sim, que a amiga encontrou um telemóvel que o ligava ao crime. Sara sai perturbada com a possibilidade de, para além de violador, o ex-noivo ser um ladrão.

Pilar comenta que a inspetora Laura esteve em casa deles antes a fazer questões sobre offshores. Laura aparece com a arma usada para matar Norberto dentro de um saco, encontrada no jardim de casa deles. Jorge é algemado e constituído arguido. Luís Miguel e Concha saem imediatamente em defesa de Jorge, ma Henrique aconselha-o a não resistir. Ele sai com os agentes reclamando a sua inocência. Berta pergunta a Pilar, em surdina, o que ela fez.

Camacho explica a Bino que Raul tem um alibi para a noite do desaparecimento de Isaurinha, mas este desvaloriza. O inspetor pergunta-lhe se ele se dava bem com a esposa, insinuando que ela pode ter fugido.

Em casa do Venâncio, Ângelo aguarda a chegada do caixão com o corpo do irmão.

Mara barra a Luena a entrada em casa dela, mas esta insiste em passar, por aquela ser também a casa dela, admitindo que não sente nenhuma pena pela morte de Norberto. Mara puxa-a e ela dá-lhe um safanão. Mara cai para trás, batendo com a cabeça e perdendo os sentidos.

Em choque, Luena debruça-se sobre Mara que não dá sinal de vida. Neuza aparece alarmada, para saber o que se passa.

Sara revolve armários e gavetas em casa de Diogo à procura do telemóvel dos assaltantes da joalharia. Mafalda aconselha-a a desistir da ideia para não se martirizar. Ela encontra um telemóvel guardado numa caixa em cima do armário.

Pedro vai a casa buscar Matilde para a levar ao treino de ginástica e Sílvia insinua que ele não tem sido um bom pai, mas acaba por lhe pedir desculpa, quando ele fica ofendido. Sara aparece e pergunta a Sílvia se ela reconhece o telemóvel que ela encontrou em casa de Diogo. Esta confirma que se trata do telemóvel dos assaltantes.

Na sua cela, Diogo tenta concentrar-se num livro, mas não consegue. Ele recorda tempos mais felizes com Sara e fica revoltado com a realidade que o rodeia. O guarda avisa que ele tem uma visita.

Diogo fica esperançado ao ver Sara, mas ela confronta-o com o telemóvel e garante que o vai entregar à polícia. Ele não sabe o que dizer, tenta recordá-la do que passaram juntos, mas ela diz que dava tudo para se livrar dele.

Pedro diz a Luís Miguel que a separação dele ainda é muito recente e não pretende levar a sua relação com Mafalda para outro nível, apesar de pressentir que é isso que ela quer. Luís Miguel está convencido de que alguém plantou a arma do crime em casa do pai dele para o tramar.

Chegado a Luanda, Raul telefona a alguém perguntando pela entrega de uma carta e por uma mulher.

Camacho revela a Bino que encontraram uma arma em casa dos Sacramento. Este tenta convencer o inspetor Camacho de que Raul é o autor do crime, mas este recorda que ele estava em Luanda. Patrícia recebe uma carta com o seu nome, mas sem remetente.

Já consciente, mas ainda aturdida, Mara é examinada por um médico. Neuza está ao lado dela, aflita.

Na sala, junto ao caixão de Norberto, Yolanda e Artur, Arsénio e Luena aguardam notícias.

Bino reconhece a letra de Isaurinha na carta enviada à filha. Patrícia lê a carta que diz que o pai dela fez algo terrível que fez a mãe decidir ir-se embora. Ela questiona o pai a contar-lhe o que se passa. Bino garante que não fez nada, mas ela não acredita e fecha-se no quarto.

Ângelo, irmão de Norberto, diz ao médico que vai assegurar que Mara descansa. Ele pede a Yolanda, Artur, Arsénio e Luena para irem para casa que ele decidirá sobre o enterro de Norberto. Todos se despedem, mas Luena insiste em ficar e sobe para o quarto de hóspedes. Ângelo diz a Arsénio para a deixar ir e decide que o funeral seja logo no dia seguinte.

Categorias
Televisão

Comentários