Televisão

A Única Mulher: resumo de 6 a 11 de Julho

Episódio 102

Henrique explica à família Sacramento que Jorge ficou na prisão e que só dentro de dois dias será ouvido perante um juiz. Todos estão preocupados. Pilar acha que o marido não vai aguentar o escândalo e a humilhação.

Na prisão, os guardas encontram alguém que cometeu suicídio.

Bino tenta fazer sentido da carta da esposa. Patrícia insiste em saber o que ele fez e ele tenta explicar-lhe que a mãe foi raptada e forçada a escrever a carta. A filha acha que ele está a inventar histórias para sacudir a culpa e vai-se embora. Bino telefona ao inspetor Camacho.

Camacho está em casa da família Sacramento e desliga o telemóvel. Acabou de dar uma notícia demolidora. Luís Miguel abraça Sara. Francisca esconde a cara no colo de Berta.

Artur informa a mãe que o funeral de Norberto será nesse dia. Ele garante a Yolanda que vai tomar conta de Mara e do filho dela como se fosse seu, porque ainda gosta dela.

Mara quer ir ao funeral do pai, mas o tio Ângelo insiste que ela se mantenha em repouso absoluto por causa do bebé. Ela emociona-se por não se poder despedir do pai e chora no ombro do tio.

Na construtora, Patrícia revela a Daniela que a mãe se foi embora de casa por causa do pai. Esta diz-lhe que Jorge foi preso e que Diogo se enforcou na cadeia.

Diogo não morreu, mas Henrique garante aos Sacramento que o diagnóstico é muito reservado. Pilar desvaloriza, acha que a morte dele será um bem para a humanidade e que a prioridade é tirar o marido da cadeia. Sara recorda como desejou a morte do ex-noivo à frente dele.

Berta acusa Pilar de ser falsa e ter plantado a arma no jardim para incriminar Jorge. Esta chama-lhe senil e recorda que ela teria de conhecer o assassino para ter a arma do crime. Berta fica desconfiada e ameaça-a, mas Pilar diz-lhe que se ela não ficar calada, vai fazer companhia a Jorge.

Laura e Camacho vão à hamburgueria saber se Bino tem notícias da esposa. Este garante que sim, com uma expressão grave.

Patrícia garante a Daniela que não perdoa o pai pelo que fez à mãe.

Bino garante aos inspetores que não fez nada, apesar do que diz a carta da mulher e que Isaurinha foi raptada por Raul. Camacho diz-lhe para encarar a realidade: a mulher dele fugiu de casa por algo que ele lhe fez. Ele insinua que deve haver outro homem na vida da esposa, deixando Bino indignado.

Ângelo traz a Mara uma bandeira de Angola usada no funeral. Ela conta que nunca disse ao pai que estava grávida. Ela garante que ainda não decidiu se vai casar com Artur e pergunta se Luena esteve no funeral.

Luena explica a Raul que vai ficar em Luanda para a abertura do testamento. Raul pretende convencer Mara a desistir da parte dela. Luena insiste para que ele não lhe faça mal, porque acha que os pais estão vingados e pede-lhe para prometer pela memória de Lurdes. Raul anui, mas está pouco inclinado a cumprir.

Pilar visita Jorge na cadeia e tenta animá-lo. Ela reconhece que a arma foi confirmada como sendo a do crime. Jorge fica desesperado, mas emociona-se por a esposa estar do lado dele. Ela revela-lhe que há outra notícia que deixou Sara e Francisca de rastos.

Sara está em casa de Diogo e, perturbada, desabafa com Mafalda que desejou a morte dele. Ela recorda como a irmã foi violada ainda virgem e diz a Mafalda, a chorar, que a morte de Diogo será um alívio e um recomeço para todos.

Berta tenta confortar Francisca. Esta explode, angustiada, só queria que a sua vida voltasse ao que era e abraça-se a Berta a chorar.

Santiago sabe por Rafaela que Diogo se tentou enforcar na cadeia. Ele pergunta por Francisca e ela fica com ciúmes. Ele admite que ama Francisca desde o primeiro dia em que a viu e quer estar com ela. Rafaela aconselha-o a dizer-lhe isso a ela.

Revoltado com a carta, Bino liga a Raul e deixa-lhe uma mensagem de ameaça no voice-mail. Isabel vai a casa dele saber notícias de Isaurinha e este garante que ela nunca fugiria de casa. Patrícia chega a casa entretanto e acusa o pai de ser um mentiroso, garantindo que nunca o vai perdoar.

Ana Maria diz à mãe que não acredita em Bino e revela-lhe que Jorge foi preso por ter matado o angolano. Isabel fica em choque.

Mitó pergunta a Henrique se ele acha que Jorge é responsável pela morte de Norberto. Este garante que Jorge não é um assassino e vai fazer tudo para provar a inocência dele. Ele recebe uma mensagem da agência de viagens por causa das passagens e Mitó admite que ainda não decidiu se vai cancelar a viagem.

Pilar janta com Sara, Concha e Clara, comentando o estado de espírito de Jorge. Berta anuncia a chegada de Santiago. Pilar vai à sala disparada, exigindo saber o que ele está ali a fazer. Ele garante que não quer confusões, só veio falar com Francisca. Ela recorda que estão dispostos a indemniza-lo pelos prejuízos que ele sofreu, mas não o deixa ver a filha. Ele garante que não se vai embora sem falar com ela e começa a subir as escadas. Vencida, Pilar acede em deixá-lo falar com a filha, desde que ela esteja presente.

Berta entra no quarto de Francisca, mas encontra a cama vazia e a janela aberta. Desnorteada, ela leva às mãos à cabeça.

Raul finge-se preocupado com Mara e o bebé. Luena entra no quarto para saber como ela está, mas Mara fica indignada e tenta expulsá-la de casa. Contudo, Luena garante que fica até à leitura do testamento e acaba por sair do quarto. Mara questiona o pai biológico sobre a conversa que ele teve com o inspetor. Ele mente e refere, para pesar de Mara, que a arma do crime foi encontrada em casa de Jorge, confirmando-o como o assassino.

Luena ouve tudo atrás da porta do quarto, não se mostrando surpreendida.

A família Sacramento e Santiago continuam sem notícias de Francisca, que não atende o telemóvel. Pilar atira as culpas para cima do brasileiro, achando que ele apareceu lá em casa para criar uma cortina de fumo e ajudar à fuga da filha. Ela tenta mandá-lo embora, mas ele insiste em ficar. Todos defendem Santiago, deixando Pilar irritada.

Francisca encontra-se com a inspetora Laura e tenta saber se Diogo corre risco de vida. Ela pergunta se o pode ver para lhe pedir desculpa, revelando, para surpresa de Laura, que Diogo não foi responsável pela sua violação.

Episódio 103

Ramiro janta com Sílvia, o pai dela e os filhos. Tocam à porta e ele vai abrir a porta. É Pedro que faz cara feia quando o vê.

Mafalda comenta que Sara está um caco e se sente perdida depois do que aconteceu a Diogo. Rafaela pergunta-lhe por Pedro e esta admite que ele não parece querer avançar para uma relação mais séria. Rafaela aconselha-a a dar-lhe uma dica direta das suas intenções, mas tenta que ela pense se é mesmo isso que pretende.

Pedro diz a Sílvia que, como ainda paga a renda, tem uma palavra a dizer sobre quem entra em sua casa, mas ela recusa mandar Ramiro embora. Ele insiste que não quer Ramiro ao pé dos filhos e os dois começam a picar-se. Sílvia faz-lhes ver que a magoa que eles discutam sempre que se encontram e Pedro acaba por aceder em ir-se embora. Ramiro tenta abraçá-la, mas ela pede-lhe para sair.

Em casa dos Sacramento, Sara tenta fazer ver à família que Francisca saiu porque lhe apeteceu e têm de voltar à normalidade. Francisca chega com Laura e gela ao ver todos à sua espera, incluindo Santiago. A inspetora antecipa-se e explica que ela lhe forneceu informações úteis sem revelar quais e vai-se embora.

Orlando aconselha o irmão a deixar de arranjar confusões com Pedro. Ele avisa Ramiro de que uma mulher chamada Lígia ligou lá para casa à procura dele, vinda de Angola. Nervoso, ele pede ao irmão para dizer que não sabe nada sobre o paradeiro dele. Ramiro entra no quarto e fecha a porta com força, numa explosão de fúria e frustração.

Sílvia não sabe como resolver a situação entre Pedro e Ramiro e admite ao pai que se sente atraída por Ramiro. Sebastião garante que ela tem direito de perseguir os seus sentimentos e promete apoiá-la.

Luís Miguel tenta fazer ver a Pedro que o problema dele com Ramiro não é por ele ser ex-presidiário. Este salienta que a mulher o desiludiu muito e apenas está preocupado com os filhos. O amigo aconselha-o a falar com o irmão dele, Orlando e Pedro concorda. Luís Miguel admite que Jorge vai ser presente ao juiz no dia seguinte para lhe ser aplicada uma medida de coação.

Laura revela a Camacho a revelação de Francisca de que não foi Diogo quem a violou. Francisca disse-lhe que, quando Diogo foi acusado, decidiu fingir que tinha sido ele, por achar que ele merecia, dado que já tinha assistido a uma cena de assédio sexual entre ele e uma funcionária da construtora. A inspetora fez-lhe ver que ela pode ser acusada de perjúrio, nomeadamente se Diogo morrer. Francisca continua a recusar-se a dar o nome do verdadeiro violador, por ter medo de que ele a mate. Camacho recorda o telemóvel plantado em casa de Santiago e a camisa sem botão, obrigando Laura a admitir que muitas perguntas continuam sem resposta.

Yolanda aconselha o filho a passar mais tempo com Mara, se quer que ela aceite casar com ele. Ele recusa-se a pressioná-la num momento de fragilidade. Depois de ele se ir embora, Yolanda anuncia a Kizua que não vai ficar de braços cruzados à espera de cair na pobreza.

Neuza comenta que as pessoas vão estranhar quando ela e Artur tiverem um filho branco e aconselha-a a abortar, achando que aquele bebé vai ser a desgraça dela. Mara fica indignada com a sugestão dela e expulsa-a do quarto. Artur chega entretanto e Mara diz-lhe que é melhor conversarem sobre a relação de ambos.

Luena insiste com Raul que Mara tem de casar com Artur, porque não quer que Luís Miguel descubra que ela está grávida dele. Ela admite que gosta dele e Raul comenta que as duas fortunas – dos Venâncio e dos Sacramento – ainda se vão juntar. Ela telefona a Luís Miguel, que comenta que o pai vai ser presente ao juiz nesse dia. Sente-se inútil por não poder provar a sua inocência. Ela confessa que tem saudades dele e fica feliz por poder contar com ele.

Raul pinta com agressividade uma tela gigante. Assustada com a personalidade violenta dele, Luena insiste que ele não faça mal a Mara.

Pilar comenta com o filho estar preocupada por não saber o que se passa com Francisca e Luís Miguel conforta-a. Ela revela que Diogo ficou bastante tempo sem oxigénio e, mesmo que sobreviva, há risco de sequelas graves.

No hospital, Diogo está deitado na cama de olhos fechados, ligado a soro. Sara aproxima-se a medo, com um misto de pena e repulsa.

Pedro tenta saber mais sobre Ramiro, junto de Orlando, argumentando que o seu objetivo é proteger os filhos. Este admite que o irmão teve uma infância difícil e chegou a fazer parte de um gangue de assaltantes, mas que pagou a sua dívida e merece uma segunda oportunidade. Exaltado, Pedro defende que uma pessoa que andou de arma em punho a fazer assaltos não pode ser inofensiva.

Com um visual diferente, Lígia entra na hamburgueria e senta-se. Ao reparar nela, Ramiro vai ter com ela e insiste em saber o que ela pretende dele. Nas traseiras da hamburgueria, Lígia atira Ramiro contra parede. Este empurra-a, mas acabam a beijar-se.

Sara admite a Mafalda que mesmo que Diogo sobreviva, ficará com sequelas. A amiga aconselha-a a seguir com a sua vida, ela admite que foi apenas despedir-se dele.
Mitó aparece de malas prontas para partir para Nova Iorque. Ela confessa a Henrique que lhe custa deixá-lo sozinho, mas ele garante que não vai a lado nenhum e entrega-lhe um cartão platina que a deixa deliciada. Ela parte com Bruno que a vai levar ao aeroporto.

Jorge acha que foi tramado e já não volta a sair da cadeia. Luís Miguel garante ao pai que vão conseguir provar a sua inocência. Ele diz ao filho que ele agora tem de ser o chefe da família.

Clara acredita que o pai vai conseguir tirar o tio Jorge da cadeia. Concha não partilha da confiança dela, mas recorda como acreditava muito nele quando eram casados. Clara revela, de forma insinuante, que o pai vai ficar sozinho durante um fim-de-semana porque Mitó vai para Nova Iorque.

Ana Maria critica a mãe por ter recusado ir a Nova Iorque com Mitó às custas de Henrique. Isabel repara numa lingerie ousada no cesto de lavar roupa e comenta como é ordinária. Ana Maria humilha a mãe. Na televisão, passam notícias da prisão de Jorge, que deixam Isabel comovida.

Berta acredita que Pilar mandou matar o angolano e, depois, atirou as culpas para cima do marido. Esta nega as acusações, mas aconselha-a a manter-se calada, porque pode testemunhar contra ela no caso do skinhead. Sara aparece e Pilar confessa à filha que Francisca parece ter remorsos de alguma coisa.

Episódio 104

Francisca recebe uma mensagem do violador, através da internet, a ameaçá-la para se manter calada. Ela fica aterrorizada e recorda a violação.

Francisca corre para casa de banho com vómitos repetidos. Exausta, senta-se no chão e deixa-se ficar.

Ramiro vem das traseiras da hamburgueria a guardar o telemóvel, quando é confrontado com Bino. Este garante que o viu e insiste em falar com ele. Bino quer saber quem era a mulher com quem Ramiro estava. Este garante que era só uma amiga, mas fica nervoso quando Bino refere Sílvia. Ele promete que não volta a enrolar-se com Lígia se ele não disser nada.

Sara segue pelo corredor do hospital, a medo. Diogo recuperou a consciência.

Pilar comenta que Diogo sobreviveu, para alívio de Francisca. Esta pergunta pelo pai e a mãe explica que ele vai ser presente ao juiz nesse dia e o mais provável é que continue preso.

Camacho comenta com Laura que o juiz aplicou a medida de coação máxima – prisão preventiva – e está certo de que o seu caso está resolvido. Laura sente-se envergonhada por já ter prendido dois inocentes e acha que a chave do caso está no telemóvel plantado em casa de Santiago. Ela pediu imagens das câmaras de vigilância do hotel e mostra-as a Camacho. Ramiro aparece numa das imagens, mas de cara voltada. Ela reconhece apenas o logo da hamburgueria na T-shirt e decide pedir fotos de todos os empregados para mostrar no hotel.

Sara visita Diogo no hospital, que não mostra sequelas do incidente. Ele sente-se vítima de uma injustiça, ela admite que é inútil ele insistir nesse ponto e vai-se embora. Ele chora como uma criança.

Na construtora, Pedro conta a Luís Miguel que Ramiro fazia parte de um gangue de assaltantes e não sente que é uma boa influência sobre os filhos. O amigo salienta que ele esteve preso e já se terá arrependido. E recomenda-lhe que tenha uma conversa séria com ele. Ele concorda.

Na sala de visitas da prisão, Jorge diz à esposa que vai aguardar julgamento na prisão e ela tenta confortá-lo. Quando ele comenta que passou uma procuração para Luís Miguel assumir os seus negócios, enquanto ele estiver ausente, Pilar aguenta o choque a custo, mas vai-se embora dali o mais rapidamente que pode sem se denunciar.

Henrique garante a Concha que vai recorrer da decisão do juiz, mas não devem ter grande esperança. Pilar sai da cadeia a praguejar consigo mesma, furiosa por não ter conseguido o que queria. Mete-se no carro e arranca a grande velocidade. Concha estranha a reação de Pilar. Henrique convida-a para almoçar e os dois embarcam em recordações. Ele recebe uma chamada de Mitó e a ex-mulher nota o embaraço dele e afasta-se a passo largo, pior que estragada.

Luena está impaciente à espera da abertura do testamento. Arsénio recorda que Ângelo, o irmão de Norberto, é o executor do mesmo e não esconde a sua mudança de atitude em relação a Luena. Ela repara e Arsénio admite que sente que foi usado por ela numa vingança contra o patrão. Luena sublinha que Norberto não era nenhum santo. Ângelo chega entretanto para a leitura do testamento.

Neuza tenta saber se Mara aceitou casar com Artur. Esta não responde e recorda que já não confia nele. Arsénio vem chamá-la para a leitura do testamento.

Ângelo, Luena, Arsénio e Neuza aguardam Mara, para a leitura do testamento. Todos ficam surpreendidos ao ver Daniela que acabou de chegar, dizendo que foi convocada. Mara exige respeito pela ocasião e Ângelo começa a ler o testamento. De acordo com o testamento, Mara e Júnior herdam 70 por cento dos bens de Norberto. Para revolta de Luena, um terço é destinado a Daniela. Mara fica magoada com o pai por ter deixado tanto dinheiro a uma amante que conheceu há poucos meses. Daniela reage, garantindo que Norberto gostava dela. Mara vai-se embora, resignada a cumprir a vontade do pai.

Mara senta-se na cama ainda em choque com a revelação, recordando a morte da mãe e o seu sofrimento por Norberto a trair com outras mulheres.

Henrique hesita em ligar a Concha, mas acaba por fazê-lo. Ela atende logo perguntando por novidades de Jorge. Ele convida-a para irem a um bar, animar um pouco. Insegura, ela promete ligar-lhe de volta a dar a resposta.

Sílvia pede ao pai para ficar com os filhos, enquanto ela vai à hamburgueria ver Ramiro. Ele assegura o seu apoio, para a manter longe de Pedro.

Pedro comenta com Mafalda que teme pela segurança dos filhos, mas esta acha que Ramiro não representa um perigo para eles. Ela recebe uma chamada de Rafaela, mas ela mente a Pedro, dizendo que tem recebido telefonemas a toda a hora de um número desconhecido. Ele não dá importância, ela fica frustrada.

Quando Sílvia chega à hamburgueria, Ramiro já saiu. Bino aconselha-a a ir com calma, porque mal o conhece. Ela acha que ele está a ser preconceituoso e vai-se embora. Luís Miguel chega entretanto para falar com Bino e este explica-lhe que sabe quem é o verdadeiro assassino de Norberto.

Pilar desabafa com Berta por o marido ter passado uma procuração ao filho para tratar dos negócios e não a ela. Berta salienta que Jorge não é tão parvo como ela pensava e que não valeu de nada metê-lo na cadeia.

Francisca sente-se constrangida ao pé de Sara e comenta que há algo que ela não sabe sobre Diogo. Pilar interrompe a conversa das filhas e comenta que Jorge passou uma procuração ao filho. Sara fica desagradada com a notícia.

Luís Miguel fica estupefacto ao saber que o pai biológico de Mara é o assassino e a sua intenção é matá-la para ficar com a fortuna dela. Ele explica que contou tudo ao inspetor Camacho, mas Raul tem alibis para tudo. Luís Miguel não sabe no que acreditar. Bino insiste que Raul vai matar Mara e ele tem de a avisar.

Henrique beb um whisky num bar. Concha aparece, mas hesita em ir-se embora, recordando ter visto ali o ex-marido uma vez com Mitó. Henrique vê-a e vai ter com ela e Concha confessa o seu desagrado por ele a levar a um sítio onde costumava estar com a amante. Ele garante que aquele local não tem significado para ele e que o que lhe interessa é a companhia dela.

Concha e Henrique entram no quarto de rompante, enquanto se beijam apaixonadamente. Ela deixa-se levar, os dois acabam por fazer amor.

Episódio 105

Ramiro recorda a conversa que teve com Lígia depois de ter sexo com ela. Ele não se quer envolver em mais nenhum esquema dela, ela riu-se dele. Ramiro volta ao presente e Orlando diz-lhe que ele tem de mostrar que todos estão enganados em relação a ele.

Ramiro fecha a porta do quarto, muito frustrado. Sente-se completamente derrotado.

Luena confronta Daniela, que explica que Norberto a amava e por isso lhe deixou parte da fortuna. Luena garante que vai impugnar o testamento. Daniela ameaça revelar o negócio da Angels se ela fizer isso. As duas trocam olhares de ódio.

Mara recebe uma chamada de Luís Miguel, que diz que tem algo estranho para lhe perguntar. Raul aparece entretanto e ela desliga o telefonema, deixando o ex-namorado preocupado. Ele recorda a conversa com Bino e a ameaça de morte que paira sobre Mara.

Luís Miguel tenta ligar de novo para Mara, mas a chamada vai para o voice-mail.

Raul traz chocolates a Mara para a confortar pelo que aconteceu na leitura do testamento e diz que pretende legalizar o mais rapidamente possível a situação de paternidade. Ela fica contente por ter alguém em quem pode confiar.

Pedro acha mirabolante a história de Bino sobre Raul ser o assassino de Norberto, mas Luís Miguel receia que Mara possa estar em perigo. Ele telefona a Luena para saber da ex-namorada e admite que Bino lhe revelou algo sobre Raul. Luena desliga a chamada e comenta o assunto com Raul, que vem a sair do quarto de Mara. Ela insiste que não quer mais mortes. Ele garante que só veio trazer chocolates à filha.

Pedro insiste com Luís Miguel que a história que Bino contou não tem pés nem cabeça. Certo de que o pai é inocente do homicídio de Norberto, Luís Miguel decide falar com o inspetor Camacho para esclarecer tudo.

Berta toma café com Sebastião, que confirma que apenas tem uma úlcera e não uma doença grave. Ela comenta a prisão do patrão e o ódio que Norberto nutria pelos portugueses. Segundo ela, o pai dele teria sido morto por soldados portugueses na sequência de uma denúncia. Sebastião recorda o incidente da morte do pai de Norberto e tenta saber onde e quando se deu o incidente, mas ela não sabe mais. Ele despede-se e sai apressado para a rua.

Sebastião sai de casa, profundamente perturbado pelas memórias trágicas e pela suspeita. Ele imagina chocar com o pai de Norberto e foge dali a correr.

Com a pressa, Sebastião deixou a porta de casa dos Sacramento aberta. Berta vai fechá-la quando se depara com Diogo. Sara fica em choque ao vê-lo e Francisca constrangida.

Laura admite ao inspetor Camacho que Diogo a ameaçou com um processo quando soube que estava livre da acusação. Ele tenta animá-la, ela admite que ainda não identificou o empregado da hamburgueria que visitou o hotel de Santiago. Camacho fica surpreendido ao perceber que ela não colocou ninguém a vigiar Diogo, tendo em conta que Francisca apresentou um falso testemunho contra ele.

Alarmada pela presença de Diogo, Pilar defende as filhas e ordena a Berta que telefone à polícia, mas ele assegura que foi libertado. Ele insta Francisca a contar a verdade e ela acaba por admitir que ele não a violou, pedindo-lhe desculpa. Sara, Pilar e Berta ficam estupefactas com a notícia.

Sara ainda está a assimilar o que acabou de descobrir. Diogo recorda que esteve próximo do beco onde Francisca foi violada na noite do ataque, onde foi confrontado por um mafioso a quem devia dinheiro. No confronto, saltou-lhe um botão da camisa. Esse foi o motivo por que tentou incriminar Santiago. Ela salienta que, mesmo não sendo o violador de Francisca, ele foi responsável por assediar empregadas e orquestrar o assalto à joalharia. Ele explica que não quer mal a Francisca e, durante o tempo que esteve na prisão, se apercebeu de que Sara foi a melhor coisa que lhe aconteceu. Esta desvaloriza e manda-o embora de casa.

Pilar garante à filha que ninguém a culpa por ter mentido, mas insiste para que ela revele quem é o verdadeiro violador. A mãe garante-lhe que arranjarão seguranças e farão tudo para a proteger. Ela pede para ficar sozinha, mas promete pensar no assunto.

Sílvia vai ter com Ramiro à hamburgueria. Ela tenta saber por que ele não lhe telefonou a avisar que não estava disponível na noite anterior, ele responde-lhe secamente, convencido de que Bino lhe contou o que se passou com Lígia. Ela está convencida de que ele se encontrou com Pedro e, quando Ramiro percebe isso, mente, dizendo que o ex-marido dela o continua a perseguir e a ameaçar. Pedro aparece entretanto e percebe que estão a falar dele. Sílvia acusa-o de andar atrás de João (Ramiro). Pedro acusa Ramiro de meter ideias na cabeça da esposa. Em vez de defender Sílvia, Ramiro afasta-se, deixando Sílvia desapontada.

Pilar decide contratar um guarda-costas para que a filha se sinta segura e revele a verdade sobre a sua violação. Sara não perdoa à irmã o que ela lhe fez, apesar de não esquecer as outras maldades que Diogo fez. Ela sente que perdeu a pessoa que valia alguma coisa na vida dela e que a família não se preocupa com ela.

Sara cruza-se com Laura que vem anunciar a libertação de Diogo. Pilar acusa-a de incompetência. Esta garante que estão perto de apanhar o verdadeiro violador, mas precisam da ajuda de Francisca.

Francisca recebe uma mensagem com uma foto de uma rapariga violentamente espancada. Horrorizada, ela recusa-se a falar com a inspetora Laura.

Bino observa Ramiro, desiludido com a sua atitude. Patrícia mostra ao pai um postal que recebeu de Isaurinha a dizer que está a viver em Madrid. Ela insiste em saber o que Bino fez à mãe.

Camacho acha fantasiosa a história de Bino e pensa que ele está em negação por causa do desaparecimento da esposa. Luís Miguel considera que a versão dele até faz sentido, mas fica com dúvidas. Hesitante, ele liga um número.

Mara atende a chamada de Luís Miguel, exasperada, argumentando que já não têm nada para dizer um ao outro. Ele pergunta-lhe se Raul estava em Angola no dia do homicídio de Norberto. Ela diz que sim, mas indignada com a pergunta, pede para ele a deixar em paz e desliga o telefone.

Mara sai do quarto, desabrida, para falar com Neuza e cruza-se com Daniela. Ela acusa-a de só estar interessada no dinheiro do pai dela, mas Daniela insiste que Norberto gostava dela. Mara pretende que o tio Ângelo trate das partilhas o mais rapidamente possível para não a voltar a ver.

Yolanda fica chocada ao saber, por Artur, que Daniela vai ficar com um terço da fortuna de Norberto. Ela quer impugnar o testamento para proteger a noiva do filho. Artur revela à mãe que Mara não aceitou casar com ele. Ele recorda como ela lhe disse que seria injusto para ele assumir o filho de um branco e que ainda está apaixonada por Luís Miguel. Artur diz à mãe que vai respeitar a vontade de Mara de ter o filho sozinha. Yolanda decide tomar medidas.

Episódio 106

No Estúdio 7, Bruno comenta com as amigas a viagem da mãe a Nova Iorque. Depois de ele sair, Clara, que sabe que os pais dormiram juntos, diz a Patrícia que Mitó merece o que se está a passar, por ter separado um casal que estava junto há muitos anos. Sílvia vai a passar com Rafaela, comentado com a amiga que Ramiro a deixou pendurada.

Pedro mostra-se revoltado por Ramiro ter deixado a esposa pendurada, quando ela o estava a defender. Mafalda acha que Sílvia não é nenhuma criança e está com Ramiro porque quer. Sara chega e revela que Diogo foi libertado, porque não foi ele que violou Francisca.

Luís Miguel fica a saber que Diogo não violou a irmã. Pilar sente-se derrotada porque a filha se sente insegura e, por isso, não revela quem foi o violador. Ele promete falar com Francisca, para ver se ela baixa a guarda. Luís Miguel vai ao quarto de Francisca para falar com ela, mas o quarto está vazio.

Francisca caminha na rua até que alguém a agarra. Ela fica em pânico.

Ao saber que a filha voltou a desaparecer pela janela, Pilar quer ligar para a polícia, mas Luís Miguel acha que têm de deixar de andar sempre atrás da irmã. A mãe receia que ela possa estar em risco, mas o filho promete que vai correr tudo bem.

Santiago comenta com Orlando que não voltou a ver Francisca, depois do escândalo que a mãe dela fez. O amigo aconselha-o a deixar passar algum tempo para as coisas normalizarem. Orlando admite a Santiago que vai tentar seduzir Concha, convencido de que ela já percebeu que o ex-marido é um traste e não vale a pena perdoá-lo. Orlando desfaz a expressão ao ver Concha e Henrique a descerem do elevador, abraçados e cúmplices.

A inspetora Laura mostra ao gerente do hotel fotografias dos empregados da hamburgueria e ele detém o olhar numa imagem de Ramiro. O gerente do hotel identifica Ramiro e garante que ele veio ao hotel há poucos dias. A inspetora Laura fica convencida de que apanhou o seu homem.

Sebastião procura informações na internet sobre Norberto e fica alerta quando lê o nome do pai: Baltazar. Sílvia chega a casa e desabafa com o pai que João (Ramiro) foi bruto com ela. O pai faz-lhe ver que ela conhece mal o rapaz. Ela recorda-se dele em Angola e admite que parecem ser duas pessoas diferentes. Ramiro, com ar meio arrependido, aparece para falar com ela.

A inspetora Laura procura Ramiro na hamburgueria e questiona Bino sobre o seu empregado. Este admite que ele já esteve preso, mas é boa pessoa e está a tentar endireitar a vida. Laura pede-lhe a morada de casa dele.

Francisca chega a casa e garante à família que está bem, pedindo desculpa por os deixar preocupados. Francisca vai beber um copo de água e chora copiosamente.

Ramiro pede desculpa a Sílvia por ter sido bruto com ela. Ela aceita e dá-lhe um beijo, mas ele afasta-se e diz-lhe que é melhor ele não se meter entre ela e o marido, porque está a tentar recomeçar a vida dele. Ela fica indignada, acha que ele está a brincar com os sentimentos dela. Ramiro argumenta que ela sabia bem no que se estava a meter e que se podem continuar a ver sem compromisso. Magoada, ela expulsa-o de casa e desfaz-se em lágrimas.

Ramiro sai angustiado de casa de Sílvia. Cruza-se com Pedro que lhe pergunta o que ele está ali a fazer. Ele dá-lhe um empurrão.

Mafalda queixa-se a Rafaela de que Pedro morre de ciúmes da esposa e não se mostrou nada preocupado com a chamada do falso stalker dela. Mas ela está determinada a garantir que Pedro vai viver com ela.

Concha comenta com a filha que Henrique foi um príncipe com ela, mas admite que não conversaram sobre a situação de Mitó. No entanto, ela garante a Clara que combinou encontrar-se com o ex-marido para pôr tudo em pratos limpos.

Henrique atende uma chamada de Mitó, mas não consegue disfarçar o desconforto. Ele diz-lhe que está a trabalhar, mas precisa de falar com ela. Ele desliga a chamada, mas não consegue concentrar-se no trabalho. Faz uma encomenda pelo telefone.

Clara confessa à mãe que está muito contente por ela e o pai estarem novamente juntos e as duas abraçam-se, felizes. Orlando chega entretanto e Concha admite que está a pensar voltar para o ex-marido. Este fica revoltado e não contém o ciúme, argumentando que não compreende como ela o pode fazer depois de todas as mentiras e faltas de respeito dele. Concha acha que nunca lhe deu confiança para uma cena de ciúmes e ele acata. A inspetora Laura chega para falar com Ramiro.

A família Sacramento tenta convencer Francisca a contar a verdade. Esta mente, negando que tenha recebido novas ameaças do violador. Ela exige que a deixem em paz e corre para o quarto.

Laura explica a Orlando que está a investigar a violação de Francisca e necessita de falar com o irmão dele. Orlando fica preocupado por Ramiro ir ser interrogado.

Pedro vai buscar os filhos a casa, mas eles estão com Sebastião. Frágil, Sílvia admite ao marido que foi a uma entrevista de emprego e não ficou e que, se calhar, ele tinha razão em relação a Ramiro. Ele mostra-se preocupado com ela, mas recebe uma chamada de Mafalda a pedir para ele ir com ela porque ela está com medo do stalker. Pedro acaba por ceder, mas diz à esposa que volta mais tarde. Mafalda fica satisfeita por o seu plano ter resultado, enquanto Rafaela desdenha a criancice dela. A inspetora Laura chega para falar com Ana Maria.

Laura revela a Ana Maria que Diogo foi libertado da cadeia porque está inocente e que, por isso, não pode ter sido ele a plantar o telemóvel no quarto de Santiago. Ela fica encurralada.

Laura exige saber quem mandou Ana Maria pôr o telemóvel no quarto de Santiago. Esta garante não saber de nada. A inspetora empurra-a contra a parede dos chuveiros e abre a torneira, encharcando Ana Maria. Rafaela aparece entretanto e chama-a à razão.

Ramiro confronta Lígia e exige que ela se mantenha longe dele. Ela sorri, maquiavélica, não tem intenção de fazer isso.

Bino tenta saber se Luís Miguel falou com Camacho. Este confirma que o inspetor acha que ele está a inventar uma história para justificar a traição da esposa. Ele mostra o postal ao amigo e explica que Isaurinha não é de meias palavras e se tivesse algo contra ele, dizia o que era. Luís Miguel mostra-se disposto a acreditar nele.

Raul fica irritado ao saber que Daniela herdou um terço da fortuna de Norberto. Ela pensa em rejeitar a herança e ele vê ali uma oportunidade de a convencer a abdicar a favor de Júnior. Mas ela acaba por voltar atrás, porque não quer premiar Luena pelas manipulações dela.

Luena está furiosa por Daniela ser herdeira de Norberto, mas Raul revela que Mara está a considerar abdicar da herança dela a favor de Júnior. Ele exige ficar com esse terço como pagamento pelos serviços prestados. Daniela aparece e nota que Luena e Raul parecem próximos, ficando desconfiada.

Episódio 107

Ana Maria está revoltada com as suspeitas de Laura. Joana aparece a dizer-lhe que ela tem uma chamada em linha de alguém que quer falar com a Natacha. Ela fica em pânico e maltrata Joana por ter pegado no telefone dela.

Ana Maria atende a chamada no quarto, mas deixa cair o sorriso sedutor ao perceber que é Diogo. Ele combina um encontro com ela, mas não mostra qualquer agressividade.

Pilar critica Sara pela fita que fez. Esta salienta que Francisca não devia ter acusado Diogo se ele era inocente e que alguém devia falar com ela para lhe fazer ver isso. Berta aparece com uma carta fechada na mão e anuncia que Francisca se foi embora de casa.

Francisca explica a Santiago que saiu de casa e pede para ficar no quarto de hotel dele, porque não confia em mais ninguém. Ele não sabe o que dizer.

Clara garante a Pilar que não tem falado com Francisca e não sabe onde ela está. Concha, que aparece muito bem vestida para jantar, fica preocupada.

Henrique combina jantar com Concha nessa noite e aconselha-a a não se preocupar com a sobrinha.

Ana Maria vai a casa de Diogo e diz que a polícia a obrigou a denunciá-lo. Ele garante que compreende a atitude dela, mas exige saber quem lhe deu o telemóvel.

Santiago deixa Francisca ficar no seu quarto, mas está preocupado com o que vão dizer os pais dela. Ela recorda que, no dia seguinte, faz 18 anos e pode fazer o que quiser.

Orlando diz a Ramiro que a inspetora Laura anda à procura dele, tentando saber onde estava ele no dia da violação de Francisca. Ele desconfia que o irmão saiba de alguma coisa. Ramiro fica revoltado com a suspeita dele, acha que para ele e para os outros, ele será sempre um criminoso.

Patrícia pergunta ao pai o que fez ele para a mãe se ter ido embora de casa. Ele insiste que as cartas são falsas. Ela diz ao pai que recebeu uma proposta de emprego em Londres e que vai aceitar se ele não convencer a mãe a voltar para casa. Bino recorda-se que a seringa que Raul lhe deu pode ajudar a provar a sua história e telefona a Camacho.

Laura admite a Camacho que desconfia que Ramiro pode estar envolvido na violação de Francisca, até porque não pode ignorar o passado dele. Camacho recebe uma chamada de Bino, mas não atende, porque acha que ele está em negação.

Bino olha fixamente para a seringa, agarrado àquela esperança. Ele recebe um telefonema de um número desconhecido. O telefonema é de Raul, que diz a Bino para ir à janela. Ele obedece e gela ao ver Patrícia a entrar num carro.

Bino grita pelo nome da filha, enquanto ameaça Raul. O carro afasta-se e perde-se na noite. Raul diz-lhe que alguém tem de o ensinar a ficar calado e desliga o telefone.

Henrique está adormecido no sofá quando Concha chega a casa. Ela diz-lhe que Francisca telefonou a avisar que estava em casa de uma amiga e propõe falarem sobre a relação de ambos. Ele garante que vai terminar tudo com Mitó quando ela regressar de Nova Iorque. Ele leva-a para o quarto.

Henrique e Concha vêm da sala, abraçados e a beijarem-se. Quando acendem a luz, deparam-se com Mitó deitada na cama e três malas no chão do quarto. Esta grita entre o choque e a incredulidade. Mitó acusa Henrique de ter planeado um esquema para a trair, na sua ausência, quando ela até regressou mais cedo por se sentir com remorsos de o ter deixado a trabalhar. Concha fica muito desapontada com o ex-marido. Ele garante que não planeou nada, mas ela não acredita e vai-se embora.

Concha vem do quarto em lágrimas e encontra Mitó a chorar. Esta diz-lhe que agora percebe como ela se sentiu. Concha garante que não é vítima de ninguém e sai. Mitó nem quer acreditar na sua sorte.

Henrique diz a Mitó que não se portou bem com ela nem com Concha e garante que não tinha intenção de a humilhar. Ele acha que a única atitude decente é ir para um hotel. Ela garante que não vai desistir dele. Henrique fica desnorteado, sem saber o que fazer.

Concha entra em casa feita em cacos e admite à filha que ela e Henrique foram apanhados em flagrante por Mitó que voltou mais cedo de Nova Iorque. Concha explica que a relação entre os dois não anda tremida e foi Henrique que planeou tudo para estar com ela.

Ana Maria está sentada no bar de um hotel de luxo, pensando nas palavras de Diogo. Orlando reconhece-a e vai ter com ela. Ela goza com ele por andar atrás de Concha. O cliente de Ana Maria, Vasco, chega entretanto e Orlando acaba por perceber o que se passa, apesar de ela tentar disfarçar.

Camacho não quer acreditar que Patrícia também foi raptada por Raul. Bino garante que o viu com os próprios olhos. A filha dele chega entretanto e explica que foi apenas tomar café com um amigo que conheceu há uns dias. Camacho vai-se embora muito irritado. Bino telefona a Raul que lhe garante que aquilo foi apenas um aviso, para se manter calado. E desliga a chamada, deixando Bino desesperado.

Francisca acorda e vê Santiago com um bolo de aniversário, cantando baixinho os parabéns pelos 18 anos dela.

Berta lamenta que Francisca e Jorge não estejam em casa para festejar o 18º aniversário dela. Esta insiste que Pilar é responsável por ter posto o marido na cadeia, mas ela garante não teve nada a ver com a arma plantada no jardim.

Categorias
Televisão

Comentários