Resumos de Novelas

Amor Maior: resumo de 12 a 18 de Setembro [ESTREIA]

Episódio 1

Clara chega atrasada à exposição do pai porque se vê no meio de Alfama, no meio de marchantes. No meio da confusão, conhece Manel que a salva de tropeçar e cair.

À entrada da exposição, Clara dá de caras com Francisca e estranha a presença da tia ali e teme a reação de Laura, que detesta a irmã. Cínica, Francisca alega estar ali pelo trabalho de Eduardo.

A exposição decorre com muitos convidados, jornalistas e fotógrafos a admirarem as esculturas de Eduardo e também Teresa reage com receio à presença da filha Francisca que está ali mesmo para provocar Laura.

Eduardo discursa e agradece ao cunhado Vicente tê-lo incentivado a usar os azulejos como matéria prima. Agradece também à mulher e aos filhos mas Laura não consegue apreciar o momento porque está de olhos postos na irmã, que odeia.

Francisca e Teresa ficam de fora nas fotografias de família e esta confronta a mãe com isso. De seguida, provoca a irmã e pede ao cunhado que lhe mostre tudo. Eduardo olha para a cunhada, apaixonado mas disfarça.

Aproveitando um momento em que Eduardo é entrevistado, Francisca pede a Laura para falarem a sós. Provocadora, conta à irmã que seduziu Eduardo e que vai ficar com tudo o que lhe pertence. Laura perde as estribeiras e dá-lhe um estalo. Clara assiste a tudo e leva a mãe dali, sem perceber o que realmente ali aconteceu.

Vicente critica Eduardo por ter convidado Francisca e Laura, irritada, comunica a todos que mandou a meia-irmã embora. Eduardo estranha a reação da mulher que está furiosa com ele. Ao vê-lo pegar no telefone para mandar mensagem à amante, Laura inventa uma desculpa para lhe ver o telemóvel. Encontra fotos de Francisca, em poses sensuais e uma selfie de ambos,abraçados. Tentando disfarçar, Laura abandona o local. Eduardo fica comprometido ao saber que a mulher discutiu com a cunhada.

Lobo entra dentro do recinto da festa e procura Ricardo que fica assustado, ao vê-lo ali. Este foge e Lobo segue-o, abrindo caminho entre os convidados. Ricardo passa por Diana e Clara e pede-lhes que não digam que o viram se alguém perguntar. Diana acompanha-o e quando Lobo aparece, Clara tenta disfarçar mas este repara nos copos e agarra Clara com força. Manel entra no jardim e vê, à distância, o que se está a passar e intervém, imediatamente. Perante a presença de Manel, Lobo afasta-se. Clara agradece-lhe, é a segunda vez que a salva no mesmo dia. Pega numa caneta e escreve o seu número de telemóvel. Sentem-se atraídos, como se mais nada importasse. Manel procura Pilar e fica a saber que Clara é sua sobrinha e Clara, por sua vez, descobre que Manel é inspetor da Polícia Judiciária.

Garcia, Cruz e Roger apanham Ricardo e Diana a fugir. Lobo manda os seus capangas levarem Diana e pressiona Ricardo com as peças que tem de lhe entregar. Este explica que os painéis de azulejos ainda estão a ser restaurados mas Lobo não pode esperar mais.

Já em casa, Laura arrasada manda os filhos dormirem para ficar a sós com Eduardo. Confronta-o com o caso que tem com a meia-irmã e apesar de Eduardo tentar desmentir, não tem como negar as fotos que tem no seu telemóvel. Derrotado, Eduardo tenta desculpar-se mas Laura nem o deixa aproximar-se. Laura decide ir para fora, para São Tomé.

No quarto das filhas, Laura abraça os filhos, em modo de despedida. Avisa-os ainda de que ficará fora mais tempo do que o previsto.

Numa oficina suja, Francisca conversa com Telmo e dá-lhe um bilhete de avião para o mesmo voo onde Laura irá, no dia seguinte. Telmo ainda hesita em seguir as suas ordens mas Francisca quer tirar Laura do seu caminho, duma vez por todas. Telmo confessa que detesta imaginá-la com o cunhado e Francisca afirma que só está com ele para conseguir o que quer.

Já em São Tomé, Laura reúne-se com dois empresários parceiros e prepara-se para viajar para a ilha do Príncipe. Discretamente, Telmo tira fotografias ao que está a acontecer. Enquanto isso, os seus filhos preparam-se para ir para a escola. Clara fala ao telefone com a mãe e percebe que algo não está bem com a mãe, principalmente, quando esta se recusa a falar com Eduardo.

Laura embarca numa avioneta e, ao longe, Telmo assiste à descolagem. Augusto, um técnico, garante que o avião ficará sem motor dentro de algum tempo.

No atelier de Eduardo, este fica irritado quando vê Francisca chegar. Esta finge-se injustiçada e tenta explicar porque contou tudo a Laura e este acaba por ceder à sua manipulação.

O voo segue tranquilo quando, de repente, o piloto Herberto percebe que há uma falha no motor. Pede a Laura que ponha o cinto e tenta fazer uma aterragem de emergência. O avião despenha-se com violência no meio do mar.

À noite, em Portugal a família de Laura é informada da queda do avião. Clara abraça os irmãos mais novos, enquanto Pilar olha para eles sem saber como reagir. Eduardo chora de culpa e dor.

Francisca aparece, fingindo-se solidária e apoia Eduardo no que este precisar. Clara estranha a presença da tia ali e corta o abraço fingido que Francisca lhe dá. Agradece as suas condolências mas dá a entender que não a quer ali. Francisca finge-se perturbada e Eduardo repreende Clara, deixando Francisca ficar.

Clara decide ir para São Tomé para tentar perceber o que aconteceu. Apesar das recomendações do pai e da tia, Clara marca viagem. Nesse momento, Manel telefona-lhe para a convidar para jantar. Ao saber o que se está a passar, fica estarrecido mas oferece-se para a ajudar pois tem lá família.

No dia seguinte, já no avião, Clara é surpreendida por Manel que apanha o mesmo avião para a acompanhar a São Tomé. Clara fica confusa mas feliz por Manel estar ali.

Já em São Tomé, Manel e Clara são recebidos, calorosamente, pela família deste. Edite e Timóteo resmungam, carinhosos, pela ausência de Manel. Prontificam-se a ajudar Clara no que for preciso para tentar descobrir o que aconteceu com a sua mãe. Ainda não foram encontrados os corpos e Manel aproveita para mostrar a ilha a Clara. Esta agradece por tudo o que Manel está a fazer e este confessa que Clara não lhe sai da cabeça. Aproximam-se e beijam-se.

Na manhã seguinte, Timóteo comunica a Clara que encontraram os corpos e que a identificação será feita por ADN. Clara desaba a chorar e Timóteo oferece-se para a levar à praia onde encontraram os destroços da avioneta. Edite não acha boa ideia mas Clara quer ir na mesma.

Já na praia, Clara encontra o fio de Laura e bocados de roupa rasgada. Chora e relembra a última conversa que teve com a mãe. Tem de cumprir a promessa e proteger os irmãos, sempre.

Em Lisboa, os irmãos de Clara também desabam ao saber que o corpo de Laura foi encontrado. Marta ainda tinha esperanças de que a mãe estivesse viva. Afonso sente-se completamente perdido. Daniela rejeita Francisca e esta é agressiva com ela, deixando a sobrinha ainda mais fragilizada.

Clara e Manel assistem ao caixão de Laura a ser transportado para o avião. Esta chora, silenciosamente.

Dez meses depois, na quinta, Francisca experimenta um vestido de noiva. Clara aparece para ir buscar os irmãos que se recusam a assistir ao casamento do pai com a tia. Francisca ameaça Clara de maltratar as irmãs se esta as levar, na sua ausência. Francisca rasga o seu próprio véu e finge ter sido Clara a fazê-lo. Eduardo repreende a filha que lhe implora que não case com Francisca.

Episódio 2

Eduardo repreende Clara e pede-lhe que não volte a destratar Francisca. Clara ainda não quer acreditar que o pai vai casar com a irmã da mulher que nem há um ano morreu. Clara quer levar as irmãs dali mas Eduardo não autoriza.

A cerimónia do casamento decorre e, no momento de entregar as alianças, Daniela fá-lo a chorar, deixando Eduardo estarrecido. Francisca distrai Eduardo e o casamento é consumado. De longe, Clara assiste a tudo com ressentimento e Francisca sorri-lhe, vitoriosa. Afonso, sarcástico e bêbado, avança pelo meio dos noivos e envergonha o pai e a madrasta. Acusa-os de não terem vergonha na cara. Eduardo pede ao filho que saia mas é Vicente quem consegue levar dali o sobrinho para evitar mais escândalos.

Eduardo pede desculpa a Francisca pelos filhos e pede-lhe que seja compreensiva.

Em São Tomé, Manel pede a Gabriel que o ajude a tentar descobrir porque razão caiu a avioneta de Laura. Os relatórios deram resultados inconclusivos e o perito que fez a investigação, sugeriu que pode ter sido sabotagem.

Vicente pede a Clara que olhe pelo irmão. Este sente-se derrotado mas Clara garante que Francisca nunca ocupará o lugar da mãe. Tem intenção de levar Marta e Daniela dali e Vicente oferece-se para levar as sobrinhas para Lisboa.

No jardim, Francisca percebe as intenções de Clara de levar as irmãs e segura Daniela e Marta junto a si, com firmeza. Discretamente, ameaça-as mas Clara não tem medo dela. Eduardo apercebe-se da tensão e Francisca faz-se de sonsa o que leva Clara a explodir e a atirar-lhe um sumo à cara. Eduardo não tem alternativa a deixar os filhos irem todos embora para evitar mais confusão. Pede desculpa aos convidados enquanto Alice consola Francisca.

No hangar do aeroporto em São Tomé, Manel conversa com o inspetor Aurélio e este afirma que o acidente foi muito estranho mas não tem nada em concreto para lhe dizer.

Pilar e Vicente decidem ir embora do casamento e Bárbara e Mafalda também acham tudo uma palhaçada. Mafalda pergunta à mãe por Ricardo mas esta não sabe nada do filho.

Marta conta a Clara que ouviu Francisca falar em adoptar as filhas mais novas de Eduardo. Clara garante que, no que depender dela, isso nunca vai acontecer.

Meses depois, em tribunal, é concedida a autorização para adopção de Marta e Daniela por Francisca. O juiz considera que esta reúne todos os requisitos necessários. Clara, impotente, olha apreensiva para Afonso. Marta chora, revoltada, só não disse nada ao juiz para não deixar que só Daniela fosse adoptada por Francisca. Eduardo e Francisca estão felizes mas Marta afirma que nunca será filha de Francisca.

Manel surpreende Clara no museu, enquanto esta trabalha. Manel vem desafiá-la para ficarem juntos nessa noite e quer fazer-lhe uma surpresa. Esta aceita a sugestão mas antes põe as irmãs a dormirem em casa de Pilar e Vicente.

Afonso chega ao pé de Filipa que, entretanto, tem de se encontrar com Lobo pois este pediu-lhe para ir fazer uma entrega. Afonso oferece-se para a acompanhar.

Francisca entra, sigilosamente, no laboratório do hospital e tira dois frascos de toxina botulínica. Faz isto com a ajuda de Telmo que distrai o técnico de laboratório. Tem como objetivo intoxicar Eduardo e fazer com que este morra lentamente. Assim poderá ficar com tudo o que lhe pertence.

Ricardo sente algum receio de ser apanhado pela polícia judiciária com as peças que acabaram de roubar mas este não tem receio pois já tratou de tudo para que Filipa faça a entrega.

Afonso conduz a alta velocidade o carro onde levam as peças roubadas até que ouve sirenes do carro da polícia atrás de si. Filipa fica aflita e pede-lhe que não pare. Este, confiante, continua a ultrapassar até que, para evitar atropelar uma senhora idosa, perde o controlo e derrapa até bater num poste. Filipa ordena-lhe que saiam dali a correr e quando a PSP chega, já não os encontram. Quando verificam o carro, os agentes encontram várias peças de arte sacra roubada.

Filipa, muito nervosa, explica a Afonso que o carro onde iam era roubado e o que ia lá dentro valia cerca de noventa mil euros. Afonso fica em choque assustado.

Francisca tenta entrar na gestão da empresa mas Eduardo recorda-a de que aquilo pertence aos seus filhos e que não pode passar-lhe a gestão da fábrica de azulejos.

Manel surpreende Clara com um passeio de balão de ar. Este sorri satisfeito e beijam-se apaixonados. Manel aproveita o momento romântico para pedir Clara em casamento. Esta sorri de felicidade e aceita. Trocam juras de amor.

Filipa e Afonso contam a Lobo tudo o que aconteceu e este, agressivo, exige que lhe paguem o valor que perdeu com as peças apreendidas pela polícia ou terão de se ver com ele.

Eduardo tenta seduzir Francisca mas esta finge-se muito ofendida com os filhos dele e não mostra vontade de o beijar ou abraçar. Eduardo decide ir correr e Francisca prepara-se para envenenar o seu batido de frutas quando Clara entra na cozinha e a apanha, em flagrante, a despejar o conteúdo da seringa no batido. Francisca fica nervosa e tenta disfarçar e Clara exige saber que remédio é aquele. Como Francisca não dá uma resposta plausível, Clara ameaça que vai analisar o conteúdo do batido e a tia/madrasta despeja tudo no lava-loiças e atira a seringa para a conduta do lixo. Francisca enerva-se e segura Clara pelos cabelos e ameaça-a com uma faca. Para se defender, Clara bate com toda a força com um jarro na cabeça de Francisca e deixa-a a sangrar da testa.

Eduardo chega da sua corrida bastante cansado e Clara acusa o pai de estar a ser envenenado por Francisca. Ao ver a mulher a deitar sangue, Eduardo exige que a filha peça desculpa à mulher e perante a sua recusa, Eduardo expulsa a filha de casa.

Episódio 3

Filipa, apreensiva, sugere a Afonso que arranje algo da sua família que valha o valor que devem a Lobo. Este reage mal mas percebe que a situação é grave e lembra-se que a coleção de relógios do pai talvez chegue para pagar a dívida.

Clara despede-se das irmãs, sob o olhar preocupado de Vicente e Pilar. Eduardo está irredutível e apesar de Clara pedir para verificarem a conduta do lixo para confirmar que está a dizer a verdade, o pai não lhe dá ouvidos. Pilar fica de averiguar isso e Vicente aconselha o cunhado a fazer análises. Daniela e Marta querem ir com Clara e mas esta despede-se dos irmãos e sai sem conseguir olhar para trás.

Francisca encontra a seringa no contentor do lixo e sorri vitoriosa.

Clara liga a Manel a contar o sucedido e este sai, imediatamente, do trabalho para apoiar a namorada. Quando Manel chega ao pé de Clara, esta explica tudo o que aconteceu e este garante que vão conseguir provar que está a dizer a verdade. Manel ainda sugere que Clara fique consigo, em casa dos pais mas esta prefere ir para casa de Diana.

Marta apanha Afonso a mexer no cofre e este explica que se meteu numa confusão e precisa de dinheiro para pagar a um tipo perigoso. Marta implora ao irmão que não faça nenhum disparate para que Eduardo não o mande embora também.

Pilar vasculha o lixo todo e não encontra a seringa. Francisca, vitoriosa, faz-se de vítima agradecendo a Pilar que, no entanto, acha muito estranho que Clara fosse inventar algo tão macabro. Eduardo fica com a certeza de que tomou a decisão certa ao mandar a filha mais velha embora de casa.

Afonso pede ajuda ao pai mas como não pode revelar o que realmente se passa, Eduardo recusa-se a dar-lhe dinheiro sem saber para quê. Este fica preocupado e quer saber em que sarilhos o filho anda metido.

Afonso explica a Filipa que não conseguiu roubar os relógios do pai e esta decide que vai fugir. Aconselha-o a fazer o mesmo mas Afonso não quer abandonar as irmãs.

Marta e Daniela imploram a Eduardo que deixe Clara voltar. Este fica de pensar no assunto e Francisca tenta manipular o marido, alegando que não consegue viver na mesma casa que Clara. Eduardo ainda sugere que a filha fique com Vicente e Pilar mas para Francisca isso representa que Clara estará demasiado próxima.

Daniela e Marta preparam-se para ligar a Clara para a avisar que poderá voltar mas Francisca impede-as, tirando-lhes o telemóvel. Como Marta resiste, Francisca dá-lhe uma chapada, deixando as irmãs em choque. Garante que quem manda ali é ela e aconselha-as a irem embora também.

Pilar partilha com as filhas que Afonso tem tido contato com Ricardo e que se meteu em problemas com um amigo em comum. Bárbara reage de forma agressiva e não perdoa o irmão.

Carlos e Helena querem conhecer Clara e ficam admirados quando Manel comunica à família que irá casar com ela e que irão viver juntos, brevemente.

No largo de Alfama, Dolores queixa-se a Carlos que Alice abriu um hostel e perante a calma do vizinho, garante que tomará medidas para acabar com o hostel. Não quer gente nova nem estrangeiros no bairro.

Miranda prepara-se para ir trabalhar e confessa à mãe que tem tanto trabalho que até está a pensar em contratar o irmão. Nelson, por sua vez, estranha que lhe tenham ligado do supermercado para ir a uma entrevista e, nervoso, explica à mãe que não quer trabalhar com ela. São surpreendidos pela chegada de Gisela e Miranda não gosta de a ver ali. Dolores informa os filhos que a sobrinha ficará com eles uns dias pois está a fazer formação para ser hospedeira.

Marta e Daniela fazem as malas para fugir e pensam em ligar a Clara do terminal dos autocarros. Depois de saírem, Francisca compra quatro bilhetes para Madrid, com o cartão de crédito de Clara, para simular que esta fugiu com os irmãos. Encontra-se com Telmo e entrega-lhes os bilhetes e um recado assinado por Clara. Com isso, este deverá convencer Daniela e Marta a irem consigo no autocarro.

Para resolver a situação do primo, Ricardo sugere a Afonso que peça a Clara o acesso ao museu onde trabalha. Para assustar ainda mais Afonso, dá a entender que fez mal a Filipa. Afonso conversa com Clara e esta recusa-se a ser cúmplice de um roubo. Promete ao irmão que falará com Manel e que irá ajudá-lo a livrar-se de Lobo. Nesse momento, Clara recebe um sms, supostamente, das irmãs a dizer que estão à sua espera no terminal dos autocarros. Tenta ligar às irmãs mas não consegue falar com elas.

Eduardo conversa com Vicente sobre a situação com Clara e admite que irá fazer análises para ver se está mesmo tudo bem. Francisca aparece, de surpresa, a dizer que foi buscar as miúdas ao colégio e que estas não foram às aulas. Mostra-lhe o recibo dos bilhetes de autocarro e dá a entender que Clara está a tentar fugir com os irmãos. Desnorteado, Eduardo pede a Vicente que avise Pilar e saem a correr.

Telmo convence Daniela e Marta a entrarem no autocarro com o bilhete assinado por Clara. Apesar de acharem estranho acabam por ceder.

Episódio 4

No interior do autocarro, Marta vê Clara e bate no vidro. Ao ver a irmã, Clara coloca-se à frente do autocarro, obrigando-o a parar. Telmo foge pela traseira do autocarro enquanto Marta e Daniela se abraçam a Clara. Explicam-lhe que iam ter com ela a Madrid com o seu professor e esta não percebe nada do que se está a passar. Daniela denuncia que o dito professor fugiu quando o autocarro parou. Eduardo chega ao pé das filhas e afasta as filhas mais novas de Clara. Francisca acusa-a de querer fugir com as irmãs para Madrid. Clara fica incrédula quando vê o recibo dos bilhetes comprado com o seu cartão de crédito e nega ter alguma coisa a ver com isso. Marta tenta defender a irmã e diz ao pai que Francisca lhe bateu. Pilar pede às sobrinhas que lhe descrevam o homem em questão e vai investigar de quem se trata. Clara percebe que foi Francisca quem comprou os bilhetes e acusa-a mas Eduardo não deixa a filha falar. Quando Francisca afirma que não a deixará aproximar-se das irmãs, Clara explode e quase a agride. É Pilar quem a segura e a chama à razão. Eduardo proíbe Clara de se aproximar da casa da família, deixando Marta e Daniela a chorar.

No armazém de Lobo, Afonso interrompe uma conversa do marginal com um intermediário. Está revoltado porque Filipa desapareceu e Lobo não lhe diz onde esta se encontra. Só o dirá quando Afonso convencer Clara a deixá-los entrar no museu.

Manel conversa com Amália que reage bem à notícia do seu casamento com Clara. Carlos chega e confronta Manel com o que acabou de acontecer com Clara e as irmãs. Está convencido de que a noiva do filho é completamente destrambelhada e repreende o filho por não ter contado a verdade sobre esta ter sido expulsa de casa.

Amália conversa com Joel e este conta que o seu filho está para chegar. Dolores e Armando aparecem e esta entra sem ser convidada. Ao ouvir a conversa sobre Nuno, Dolores, venenosa, faz julgamento sobre o filho de Joel que é motorista e teve um acidente que matou várias pessoas.

Armando leva Dolores dali e, já na rua, repreende a mulher por estar a falar da vida dos outros. Aproveitam a boleia de tuk tuk de Tomané para Dolores ir ao hostel dizer a Alice que os seus hóspedes fizeram muito barulho e que, numa próxima vez, chama a polícia.

Já a sós, Tomané mostra a Alice o anel de noivado que vai dar a Liliana. Esta sorri perante o seu entusiasmo e acredita que Lili vai dizer logo que sim. Para que Tomané faça o pedido de casamento, Alice comunica a Liliana que estará de folga, nessa noite.

De noite, Pilar conversa com Francisca e explica que não conseguiu apurar quem é o homem que quase raptou Marta e Daniela. Apesar de Clara ter negado tudo, Pilar admite que a sobrinha está descontrolada e Francisca alerta-a para o fato de Afonso estar metido em sarilhos com Ricardo. Vicente e Pilar ficam apreensivos.

Eduardo entrega o telefone de Marta à filha e diz que o encontrou na sala caído. Apesar de a filha negar, acusa-a de ter combinado com Clara no terminal. Afonso responde irritado ao pai que se recusa a ver o que Francisca está a fazer e que foi ela quem armou aquilo tudo. Eduardo ainda tenta perceber porque é que o filho tem uma dívida mas, sem uma explicação concreta, recusa-se a dar-lhe dinheiro.

Clara encontra-se com Manel e explica que não teve nada a ver com a compra dos bilhetes e que aquilo foi tudo armado por Francisca. Tem receio de que a madrasta faça algum mal às irmãs. Manel tranquiliza-a e informa-a de que vai ver uma casa. Clara assente, feliz e depois introduz o tema de Afonso estar envolvido com marginais. Manel ouve com atenção e fica de conversar com Afonso para saber mais pormenores.

Liliana caminha pelo hostel e vê pétalas de rosa espalhadas pelo corredor e quando chega à cozinha, encontra várias jarras com rosas e velas acesas e pensa que aquilo é uma supresa para outra pessoa. Tomané aparece e coloca um joelho no chão para a pedir em casamento e Lili fica perplexa quando percebe que aquilo tudo é para ela. Fica em silêncio e não tem a reação que Tomané esperava. Para ela basta juntar-se com ele e não faz questão de grandes festas.

No dia seguinte, depois de Eduardo e Francisca saírem de casa, Clara entra para visitar os irmãos. Olímpia, a empregada faz de conta que não a vê mas avisa-a para não se demorar. De seguida, Clara vai com Afonso encontrar-se com Ricardo. Este tenta convencer os primos a serem cúmplices do assalto ao museu e explica que está demasiado envolvido com Lobo para se recusar a trabalhar para ele.

Francisca encontra-se com Telmo e este dá-lhe um saco de cocaína. Despedem-se logo de seguida.

Na casa de chá, Irene é entrevistada por Raul que se insinua a ela. Enquanto isso, Miranda serve, irritada, um café a Gisela que destrata a prima, insinuando que esta se devia cuidar mais ou corre o risco de o marido olhar para outras.

No supermercado, Quim trata uma cliente de forma injusta pois, por excesso de zelo, pensa que esta está a roubar. Bárbara desculpa-se perante a cliente e repreende Quim.

Francisca conhece Manel no ginásio e olha para ele interessada. Sebastião repara nisso mas Manel não lhe dá ouvidos.

Clara e Afonso conversam no museu quando Ricardo e Lobo entram. Afonso, indignado, reclama com o primo. Lobo observa algumas peças que lhe interessam e Clara manda-os embora dali. Lobo ameaça-a, alegando que sabe tudo sobre ela e pede-lhe que o acompanhe à rua.

Nas traseiras do museu, Lobo encosta uma arma à cabeça de Afonso para mostrar a Clara que não está a brincar. Perante isso, esta aceita colaborar com ele.

Episódio 5

De volta ao interior do museu, Lobo exige que Clara arranje maneira de os pôr lá dentro, nessa noite. Ricardo sugere que a prima lhes dê a sua password para ter acesso ao sistema do museu. Para garantir que nada falha, Lobo dá indicação aos seus capangas para arranjarem alguém que Clara e Afonso não conheçam para os vigiar.

Clara não tem qualquer intenção de colaborar com Lobo e apesar de Ricardo também estar envolvido, planeia envolver Manel e fazer com que os ladrões sejam apanhados, em flagrante. Telefona a Manel mas não sabe que um capanga de Lobo está a ouvir tudo.

Na polícia judiciária, Pilar comenta com Carlos que não conseguem identificar o indivíduo que tentou raptar as suas sobrinhas. Comenta ainda que Clara está cada vez mais agressiva e descontrolada o que dá uma péssima impressão da noiva do filho a Carlos.

Francisca conversa com Eduardo quando Olímpia bate à porta e pede para falar com o patrão. Mostra um saco de cocaína que encontrou no quarto de Afonso. Eduardo, incrédulo, não sabe o que pensar e Francisca contamina o marido, alegando que o jovem está mais agressivo e nervoso e que tudo isso são sintomas de consumo de drogas. Sugere mesmo que Afonso se endividou por causa de drogas.

À tarde, Gisela regressa do processo de recrutamento para ser hospedeira completamente derrotada. Não foi selecionada por ser demasiado gorda. Miranda troça da situação enquanto lhe serve uma fatia de bolo enorme. Logo de seguida, fica estarrecida quando Gisela lhe diz que decidiu ficar em Lisboa, por uns tempos.

Preciosa aconselha Liliana a fazer as pazes com Tomané. Esta acaba por reconhecer que podia ter sido mais romântica e decide pedir-lhe desculpa.

No ginásio, Tomané desabafa com Quim que acha que o amigo devia pensar melhor antes de casar. Mafalda passa por eles e Quim e pede-lhe que o ajude a fazer treinos personalizados e intensos pois está a candidatar-se à PSP.

Afonso encontra-se com Ricardo que tenta tranquilizá-lo em relação a Lobo, garante que os primos se vão ver livres dele assim que este conseguir as peças do museu. Tenso, Afonso dá indicação ao primo para não ir ao assalto. Ricardo percebe que os primos envolveram Manel e Ricardo avisa-o de que devem mantê-lo afastado deste assunto.

Enquanto Manel espera por Clara, Helena tenta convencer Carlos de que devem aceitar a noiva do filho em vez de a julgar.

Ao sair do museu, Clara é interceptada por Lobo que não a deixa ir ao encontro de Manel. Insiste que o assalto acontecerá nessa noite e obriga-a voltar ao museu para arranjar um cartão de acesso.

Afonso estranha a atitude do pai e quando este o confronta com o saco de cocaína fica chocado. Não admite que o pai o trate como um drogado e afirma que foi Francisca a armar isso tudo, uma vez mais. Desiludido, Afonso decide sair de casa e ir viver com a irmã mais velha. Eduardo fica arrasado.

No museu, Clara tira o cartão do conservador com quem trabalha e Lobo sorri, vitorioso.

Liliana pede desculpa a Tomané por ter sido bruta mas ainda assim este fica a pensar que a namorada não gosta tanto dele como ele gosta dela porque Liliana não se mostra muito entusiasmada com o casamento.

Dolores, inconveniente, tenta influenciar Bárbara a contratar Nelson mas esta não se deixa levar pela sua conversa e ainda a repreende. Joel vai ao supermercado comprar um vinho para levar a um jantar com Amália e Dolores faz alguns comentários, deixando-o envergonhado.

Mais tarde, Clara é levada para o armazém de Lobo mas recusa-se a fazer o que quer que seja enquanto não souber onde está Afonso. Garcia abre o porta-bagagens dum carro e Clara vê o irmão lá dentro, amarrado e amordaçado. Para surpresa de ambos, Lobo leva-os consigo para o assalto.

Marta e Daniela exigem saber porque razão Afonso saiu de casa. Eduardo tenta esconder mas Francisca, provocadora, diz-lhes que o irmão anda a consumir droga. Desolado, Eduardo confirma, deixando as filhas muito angustiadas.

Nas traseiras do museu, Ricardo prepara tudo, informaticamente, para desligar as câmaras de vigilância. Lobo obriga Clara e Afonso a entrarem também. Joel passa do outro lado da rua e, ao ver o grupo aproximar-se, pára, fica a observá-los e consegue ver, à distância, a arma de Roger. Garcia filma tudo, discretamente, com um telemóvel mas só apanha Clara e Afonso que nunca percebem que estão a ser filmados. O segurança é apanhado, desprevenido, com uma coronhada e fica inconsciente.

Ainda na sede da polícia judiciária, Carlos é avisado por Joel que viu movimentações estranhas no museu. Decide passar lá sozinho para ver o que está a acontecer.

Lobo manda Afonso recolher algumas peças. Também Marco e Cruz têm de ir recolher outras tantas. Por fim, Clara passa o dedo no sensor e abre a box de restauro para que Lobo retire de lá a peça mais valiosa.

Clara sai com Afonso e são acompanhados até ao carro por Garcia.

Carlos chega à porta do museu e, ao ver a porta aberta, chama reforços. Quando menos espera, Roger aponta-lhe uma arma e manda-o sair do carro. Carlos é levado até Lobo e, num momento de distração, tira a arma a Roger. Ao ouvirem tiros, Clara e Afonso ficam alarmados e Garcia sai a correr do carro.

Na troca de tiros, Carlos acerta em Garcia e avança lentamente. Garcia ordena a Ricardo que dispare mas este está demasiado assustado. Quando se ouvem as sirenes da polícia, Ricardo levanta-se e dispara contra Carlos, que é atingido mortalmente. No entanto, é Garcia quem atinge fatalmente Carlos mas Ricardo não se dá conta disso.

Categorias
Resumos de Novelas

Comentários